Login to Lera
icon 0
icon Loja
rightIcon
icon Histórico
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
CEO Árabe Busca Herdeiro

CEO Árabe Busca Herdeiro

RomanceLivro

5.0
Comentário(s)
6.2K
Leituras
44
Capítulo

Hasan Al-Saeed, um poderoso e solitário magnata árabe, está em busca de uma jovem que lhe dê um herdeiro. Quando Sarah, que está vendendo sua virgindade, entra em sua vida, seu plano se complica. Será que ele conseguirá o que quer sem se apaixonar?

Capítulo 1 01

A jovem estava muito nervosa, não imaginava que se sentiria assim naquela situação, mas a verdade é que não conseguia acalmar as batidas desesperadas do seu coração e por isso, o aumento do nervosismo já era colossal.

Suas palmas estavam suadas e um tremor percorreu sua fisionomia poderosamente. Ela nunca se sentiu tão nervosa, mas agora estava passando por uma fase completamente diferente e o motivo era mais que óbvio.

Encontrando-se em dificuldades financeiras, a garota chamada Sarah teve que tomar uma decisão desesperada: vender sua virgindade para um homem importante. Ela se lembrava de tantas histórias quando criança que sua mãe lhe contava como ser uma menina exemplar, honesta e boa. Agora, estando no escritório daquele magnata, cada uma das palavras que sua mãe lhe mencionou foram por água abaixo.

Mas ela não estava mais com Sarah, infelizmente ela havia perdido a vida em um acidente de trânsito anos atrás, deixando-a desorientada na vida e sozinha no mundo. Mesmo com tanta destruição ao seu redor, Sarah era uma menina forte e soube se levantar e continuar remando pela vida, mesmo que seus pilares, pai e mãe, não estivessem mais com ela. Mas ele os carregava em seu coração.

Ele engoliu em seco.

Um homem alto e musculoso estava parado ao pé da porta daquele escritório. Sarah quase podia garantir que haviam passado pelo menos 15 minutos esperando pelo árabe. Este homem, vestido de terno e com aparência séria, não disse uma única palavra, exceto a saudação no início e os avisos ocasionais.

Honestamente, a espera foi uma tortura e ela não teve muita paciência, por assim dizer. Além disso, a cada minuto que passava, o nervosismo aumentava e a ansiedade aumentava a mil por hora.

Voltou para inspecionar o escritório em que se encontrava, que em sua totalidade era dominado pela escuridão e por aquele fanatismo ou gosto excessivo pela arte.

Um ambiente bastante artístico e masculino que gritava domínio, poder e mais poder dos telhados.

Ele limpou a garganta e checou o celular. Ela recebeu mensagens de texto de sua tediosa colega de quarto. Embora ela fosse uma garota bastante sensata, para dizer a verdade.

Maritza: Ei Isa, você esqueceu de pegar as roupas limpas de novo? Agora terei que ir buscá-la, então chegarei atrasado para a aula.

Maritza sempre fazia isso e pediu-lhe o favor na noite anterior para ir buscar a roupa suja, mas ela havia se esquecido completamente de estar tão envolvida no assunto da venda. não havia nada para fazer. Não tinha como ele sair de lá, ele não poderia fazer isso, estaria jogando fora muito dinheiro, e isso nunca aconteceria. Ele bufou e rapidamente enviou uma mensagem de texto em resposta e, claro, pediu desculpas a ela.

Sarah: Me desculpe, só tive que sair mais cedo, conversamos mais tarde. Com licença!

“Por favor, deixe-nos em paz”, veio a voz de um terceiro, tão poderosa e profunda que Sarah quase deixou cair o telefone no chão, mas felizmente conseguiu se agarrar à realidade.

Ela não sabia se realmente deveria se levantar, de qualquer forma, decidiu fazê-lo e já estava diante daquele homem imponente, bonito e terrivelmente sensual que a examinava com seus enigmáticos olhos verdes. Ele agora acreditava na perfeição; Era extremamente bonito e isso não ajudava em nada. Pelo contrário, tudo foi complicado para o seu sistema, deixando-o com uma sensação diferente presa no peito e um coração louco que batia com força nas costelas.

Ele nunca havia experimentado tal sensação antes, e agora que se encontrava naquela circunstância, não sabia como se controlar totalmente diante da onda de emoções que esmagava seu corpo. Apesar de tudo, ela sabia dar o seu melhor sorriso e agir como se nada tivesse acontecido, embora nem tudo fosse perfeito, pois aquele homem tinha consciência do que isso poderia fazer com as pessoas e ela era muito previsível para ele.

Quase morreu naquele exato momento em que o árabe sorriu. Mas ele sabia que não deveria desistir e apenas se conter, até reprimiu um suspiro.

"Hasan Al-Saeed", ele se apresentou, mais uma vez lançando um feitiço sobre a garota com seu tom de voz profundo e sério. Ele estendeu a mão esperando que ela a apertasse.

Aconteceu assim.

—Olá, não esqueci seu nome, e você já sabe que sou Sarah.

Dando como certo, sorrindo também, mas nunca igualando o mesmo efeito que Hasan teve sobre ela.

-Sim, é assim. Eu sei que é Sara. Como eu poderia esquecer? Ela estava muito bêbada naquela noite e ficava repetindo isso.

Ele admitiu que no fundo sentia vergonha de ter estado na boate daquele jeito. Mas o que estava feito estava feito e eu não pude lutar contra isso. Além disso, se não fosse assim, eu não o teria conhecido.

A verdade é que foi uma noite bastante estranha, tendo em conta que, depois de beber muito, ela não conseguia mais levar a sua alma e então, quando alguém tentou fazer-lhe mal, Hasan apareceu em cena para salvá-la. Ele sabia que aqueles caras maliciosos poderiam ter feito algo muito ruim com ele, mas nada disso aconteceu graças ao homem que ele tinha agora na sua frente.

Ele se lembrou de ter acordado em um quarto de hotel, mas não em qualquer um. Esta era uma suíte grande, que ela claramente não tinha condições de pagar. Então, além de se sentir muito mal por causa da tremenda ressaca, o terror de ter que pagar pela estadia ali a matou.

Felizmente, o choque desapareceu quando um bilhete dobrado foi encontrado na mesa de cabeceira.

"Algo em você chamou minha atenção, vamos nos encontrar de novo, Sarah."

E no final da nota havia um número de telefone. Foi assim que ela concordou em ir conhecer o cara de quem ela se lembrou imediatamente, já que ele a resgatou daquele momento constrangedor.

Conversaram um pouco naquele restaurante, até chegarem à conclusão de que ele lhe daria a solução para todos os seus problemas se lhe desse um filho.

“Sarah,” ela acenou com a mão na frente dela, voltando rapidamente ao presente e olhando para ele.

Continuar lendo

Você deve gostar

Outros livros de RomanceLivro

Ver Mais
Capítulo
Ler agora
Baixar livro