Login to Lera
icon 0
icon Loja
rightIcon
icon Histórico
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
A escrava comprada pelo príncipe

A escrava comprada pelo príncipe

Leidy Gomez

5.0
Comentário(s)
50.2K
Leituras
17
Capítulo

Ela me colocou no centro da praça e começou a realizar um leilão com os homens que estavam lá. — Vendo essa escrava, por uma moeda de bronze. Uma moeda de bronze? Eu me perguntava, o mais barato, estou com tanto medo. — Dou três moedas de bronze — levantou a voz um homem velho. — Dou dez moedas de bronze pela moça — outro homem barrigudo com os dentes amarelos, rindo olhando para o meu corpo. — Compro a escrava por uma moeda de ouro. — Todos olharam com um olhar de surpresa, o homem estava com uma capa preta e capuz, não dava para ver seu rosto. — Você quer dar uma moeda de ouro para uma escrava como esta, sem valor? — Perguntou incrédula a senhora Alba. — É isso mesmo que você escutou. — Então está vendida.

Capítulo 1 A procura de uma esposa

1ª Edição Copyright ©️ 2024 por Leidy Gomez Capa: Leidy Gomez Ilustração: Leidy Gomez Revisão: Leidy Gomez Edição: Jean Ferreira e Leidy Gomez @autoraleidygomez

Esta é uma obra de ficção criada totalmente pela imaginação da autora, qualquer semelhança com nomes, personagens, lugares e fatos são mera coincidência.

Nenhuma parte deste livro pode ser utilizada ou reproduzida sob quaisquer meios existentes - tangíveis ou intangíveis - sem prévia autorização da autora.

A violação dos direitos autorais é crime, estabelecido na lei nº 9.610/98, punido pelo artigo 184 do código penal.

Nota do Autor

Quando eu estava escrevendo o meu primeiro livro comecei a pensar em uma obra específica, mas para escrever ela eu precisava criar esta primeira, os personagens eram marcantes na minha mente, principalmente o vilão.

Nossa vida é uma vida complicada de muito trabalho e estudo, ler histórias de fantasia ou qualquer outra que seja do seu interesse te coloca em um mundo diferente e te deixa longe de toda a dificuldade que você está vivendo.

Se você está passando por um momento difícil e precisa superar, essa obra é perfeita para você, ela contará a jornada de uma simples escrava, maltratada que venceu todos os obstáculos, e se tornou um grande uma rainha.

“Adorava se perder entre as páginas do livro.

Em dias em que a realidade parecia pesada demais para suportar, as histórias eram sua salvação.” Ben Oliveira

AMÉLIE

Eu não entendo como acabei dessa forma fui vendida muita nova por míseras moedas de

prata, acredito que era isso que eu valia para os meus pais, eu não me lembro de seus rostos, nem sei se eu tinha irmãos ou irmãs, o que eu sei agora é que eu sou escrava em um pequeno vilarejo chamado Raste no Reino de Armir.

— Amélie vem aqui garota, você ainda não limpou o quarto da Ava.

— Desculpe, senhorita Alba, eu estava limpando o seu quarto.

— Não quero desculpas, faça o que eu estou te mandando, assim que terminar vai ao mercado do meu marido e traga alguns legumes para o jantar.

— Sim senhora — a jovem abaixa a cabeça em sinal de reverência.

Adoro quando a senhora Alba me manda ir ao mercado assim posso olhar as belezas do vilarejo, quando eu terminei de arrumar tudo que a senhora Alba mandou fui fazer as compras, eu ando bem devagar para poder observar cada detalhe, a brisa, as flores que estão sempre a crescer com o encanto do verão.

— Senhor Gerald, sua esposa pediu para que eu levasse alguns legumes para o jantar.

— Aquela mulher sempre quer tudo do nosso mercado assim não sobra para ninguém comprar, por isso ela está daquele tamanho, toma leve para ela esses legumes aqui.

— Sim senhor.

Voltei observando o sol da tarde que estava se pondo atrás da linda montanha.

— Cheguei com os legumes, senhora.

— Esses foram os legumes que ele te deu? Não tinha nada melhor, vamos para a cozinha fazer a janta.

Era para eu fazer a janta sozinha só que a senhora Alba gosta de comer muito e eu não dou conta de fazer tudo sozinha.

— Você não limpou os legumes direito, você é tão incompetente por isso seus pais te venderam.

— Desculpe senhora, não vai se repetir.

— Arrume as mesas e suma da minha frente, coma as sobras no seu quarto.

O que ela chama de quarto era um pequeno espaço que eu cobria com panos para ter um pouco de privacidade, sempre comia todas as sobras, nunca me sentei junto a eles na mesa.

— Acorda preguiçosa.

A senhora Alba me acordou com um banho de água gelada, as vezes acabo dormindo demais pelo cansaço do dia anterior.

— Amélie vem até o meu quarto agora.

— Senhorita Ava no que posso ajudar?

— Me ajude a colocar meu vestido, tenho um baile importantíssimo para ir, talvez eu encontre meu tão sonhado marido.

Como eu queria participar dos bailes do vilarejo, mas eu sou tão feia e nem tenho um sobrenome, quem seria o louco que se casaria comigo? A senhora Ava é perfeita, cabelos sedosos, cintura fina e pele radiante, os vestidos enormes que ela escolhia apesar de ser pavoroso ainda sim fica lindo por conta de sua aparência.

— E aí como eu fiquei?

— Está perfeita senhora Ava.

— Minha querida filha está crescendo, logo encontrará um lindo marido.

Talvez eu tenha um pouco de inveja dela, ou melhor inveja de todas as meninas que podem ter tudo o que eu não tenho.

— O que tanto observa Amélie, ande pegue meus sapatos.

Os sapatos eram extravagantes assim como o vestido, a senhorita Ava sempre gostou de chamar atenção em todos os lugares que ela ia.

— Aqui estão eles, senhora.

Uma carruagem veio buscar a senhora Ava, eu a ajudei entrar na carruagem, na verdade todos tiveram que ajudar a empurrar o vestido dela que estava agarrado na porta da carruagem.

— Empurra mais fortes está quase entrando — disse Ava.

Empurramos com bastante força a anágua do vestido que era muito volumosa, um último empurrão fez com que ela entrasse com tudo dentro da carruagem.

— Graças a Deus consegui entrar.

— Filha, conquiste algum marido, quero eles batendo na porta amanhã.

— Pode deixar mamãe minha beleza estonteante vai atrair vários maridos.

Realmente vai atrair muita gente com esse vestido, a carruagem se foi e os pais de Ava ficaram observando-a indo pedindo em orações que ela encontrasse um marido, todos as filhas das vizinhas já tinham se casado, tinha apenas Ava que não encontrou ninguém apesar dos inúmeros bailes que ela frequentava.

Quem está batendo na porta a essa hora? Era o que Alba se perguntava assim que acordou pela manhã.

— Amélie abre a porta.

Quando abri a porta tinha um homem alto segurando flores procurando pela senhorita Ava.

— Queria falar com os pais de Ava, eles estão?

— Estamos aqui, por favor entre — Alba esboçava um sorriso emocionante enquanto arrumava a roupa que acabara de colocar.

— Deixe-me apresentar eu sou o duque Vitório Bianchi de Laska, vi sua filha no baile ontem e achei encantadora, queria conversar mais com vocês sobre ela.

— Claro, ela já está descendo, Amélie manda Ava descer o mais rápido possível.

Entrei no quarto e Ava já estava se trocando, ela conseguia escutar tudo do quarto dela, estava pulando de felicidade pela chegada do homem.

— Estou tão feliz, ontem ele me chamou para dançar, eu sabia que alguém ia se encantar por mim.

Ela desceu na maior felicidade, o homem entregou a ela o lindo buquê e disse que ela estava linda.

— Eu estou simples demais comparado com ontem, fico até com vergonha de você me ver assim.

— Eu te acho ainda mais bela assim como você está — disse o lorde.

— Nossa filha casada com um lord, isso é tão maravilhoso.

— Quero me casar o quanto antes e trazer grandes herdeiros para a minha família.

Já sei que meu trabalho vai dobrar daqui para frente, o primeiro casamento da família, Ava é a filha única, trazer netos homens vai ser importante.

— Amélie não fique aí parada, traga pão, biscoitos e suco para o senhor.

Fiz o que a senhora me mandou, deixei a mesa arrumada, pena que não pude ficar, mas da cozinha eu conseguia escutar algumas coisas que eles falavam, parece que a festa vai ser no jardim da grande casa do duque que fica aqui no vilarejo, o problema é que o duque não é daqui então Ava terá que sair do reino de Armir e ir para o reino de Laska, a senhora Ava terá uma dama de companhia, seria ótimo se eu deixasse o título de escrava para dama de companhia.

Hoje a cidade está um grande alvoroço, todos estão dizendo que o príncipe Erik o primeiro na linha de sucessão ao trono está chegando no vilarejo, ele está passando por todos os lugares do reino para mostrar ao povo que eles estão seguros.

— Vamos lá fora, o Príncipe está chegando. Alba chamou todos para apreciarem a presença do príncipe.

Eu estava tão curioso para saber como ele é, ele estava em uma carruagem cravejada de ouro e outras pedras preciosas, tinham muitas pessoas na rua está difícil de observar com atenção a carruagem, ela parou bem no meio da rua e as mulheres tentavam se aproximar mas os guardas não deixavam, o príncipe desceu da carruagem o dia estava ensolarado e a claridade batia bem em cima dele, seus cabelos loiros brilhavam ainda mais, seus olhos eram azuis como o mar, tão alto que eu me sinto uma formiga, seu corpo forte como se tivesse entrado em várias batalhas para proteger o reino, o que eu duvido um pouco, as mulheres não paravam de chamar por ele tentando atrair sua atenção, até a Ava que já está prometida estava lá se atirando pra cima do príncipe.

— Peço a atenção de todos, meu pai o Rei Zachary me enviou para certificar se todos os vilarejos estão dentro dos conformes, ele quer mostrar que se preocupa com os moradores do reino, e eu quero me apresentar como o futuro rei de Armir.

Ele veio aqui só para dizer isso e ir embora? Isso não é agradável, existem várias pessoas aqui pagando impostos altíssimos enquanto passam fome, eles deveriam dar mais atenção aos vilarejos, as mulheres estão quase se jogando para cima dele.

— Eu ouvi dizer que o príncipe está procurando uma noiva, será que ele não veio aqui para achar uma?

— É claro que não, ele provavelmente já deve estar prometido a alguma princesa

— Cochichavam as mulheres do vilarejo

A carruagem foi embora seguindo caminho para o próximo vilarejo.

— Mãe ele é tão perfeito, por que não chamamos ele para o baile do vilarejo?

— Ava você acha mesmo que o grande príncipe Erik iria vir em um simples baile? E eu não sei por que você está tão preocupado com isso já que seu casamento está chegando.

— Sim, é verdade, eu vou levar Amélie comigo no ateliê de madame Rose, preciso trocar todo o meu armário.

— Só não gaste uma fortuna em vestidos, lembre-se que quando você se casar terá bastante dinheiro para usar os melhores vestidos — disse Alba.

— Está bom mamãe, vem Amélie, preciso de você para segurar minhas roupas.

— Sim senhora.

Madame Rose recebe a Ava sempre de braços abertos, eu sempre recebo olhares de desprezo.

— Ava o que essa escrava está fazendo aqui dentro? E ainda com essa roupa, vai assustar minhas clientes.

— É a única coisa que ela tem para vestir, preciso dela para carregar minhas roupas.

— Eu ouvi dizer que vai se casar com o lorde, é verdade? — Perguntou Sabina, uma das filhas do comerciante mais famoso aqui do vilarejo.

— Eu vou sim, felizmente eu fui a escolhida e chamei atenção do lorde Vitório de Laska.

— Também com aquele vestido quem não chamaria a atenção dele.

Ava e Sabina sempre estão brigando por alguma coisa, as duas são filhas de comerciantes, a diferença é que o pai de Sabina é bem mais rico que o senhor Gerald.

— Madame Rose quero vestidos novos e quero comprar alguns vestidos que você já tem pronto — disse Ava.

Madame Rose tirou todas as suas medidas para fazer os vestidos exclusivos para a Ava, eu tive que voltar carregando todas as sacolas com os enormes vestidos que a Ava tinha escolhido, ela sempre pega vestidos tão extravagantes.

— Ava querida se arrume bem para essa noite, os pais do lorde virão para jantar conosco, Amélie vai para cozinha e comece a preparar a janta.

Eu queria apenas um descanso meu braço está doendo de carregar todas aquelas coisas, comecei a preparar a janta, hoje a senhora Alba não irá fazer comigo porque ela está ajudando a filha a se arrumar para o jantar, ela deixou separado na cozinha um frango inteiro, batatas e ingredientes para fazer biscoitos, depois de horas fazendo tudo Alba veio ver como estava ficando.

— O frango ficou bem assado, os biscoitos você pode colocar recheio de doce de pêssego por cima.

— Sim senhora.

Parece que o lorde chegou com seus pais, felizmente a mesa já estava arrumada com a janta.

— Bem-vindo a nossa casa, aqui está nossa filha Ava. — Alba pegou Ava colocando-a como o centro das atenções.

— Muito linda por sinal. Eu sou Vitório I Duque de Laska, essa é a minha esposa Duquesa Bianca.

— Prazer em conhecê-los, eu sou Gerald e essa é minha esposa Alba.

— Fiquei à vontade em nossa casa, vamos para a sala de jantar eu preparei uma refeição maravilhosa para vocês.

— Amélie traga vinho para os convidados — pediu Alba.

Levei vinho e servi cada um dos convidados, percebi alguns olhares intensos do senhor Gerald para o meu vestido desleixado enquanto eu servia o vinho, quando eu era mais nova o senhor Gerald já tentou tirar o meu vestido, mas a senhora Alba não deixou que ele mexesse comigo, ela sempre fica de olho nele desde então e eu tento ficar o mais longe possível.

— Amélie traga mais molho para o frango.

— Sim senhora Alba.

— Então, você sabe falar alguma outra língua?

Com curiosidade perguntou o senhor Vitório

— Ela não sabe falar outra língua, mas ela sabe tocar piano como ninguém, depois da janta ela pode tocar para vocês.

— Mamãe deixa que eu responda as perguntas.

— Nós podemos ensinar tudo o que ela precisa para ser uma Lady, ela já está preparada para ir embora para Laska?

— Sim Duquesa, vamos sentir muita falta da nossa querida filha, mas ela precisa crescer.

— Percebi que você não tem nenhum filho homem, um herdeiro será muito importante para sua família. — Preocupada perguntou a Duquesa.

— Não tive mais filhos, consegui apenas ter Ava, mas pode ficar tranquila que Ava dará muito filhos para o lorde.

— Assim espero. Então podemos marcar a data do casamento?

— Claro que sim, duque — disse Alba.

— Então o casamento será daqui a 3 dias.

— Nossa tão rápido, eu e minha esposa vamos fazer o possível para nossa filha estar pronta.

Depois do jantar, Ava tocou piano, eu sempre admirei esse lado dela, ela se esforçou bastante para aprender piano e conquistar um marido. Depois de todos irem deitar eu fui verificar se tudo estava organizado percebi que o quarto de Ava estava aberto, quando entrei não tinha ninguém, para onde ela foi a essa hora?

Erik

Eu estou afadigado com esse reino, eu não posso fazer nada do que eu quero, minha família sempre está atrás de mim me vigiando.

— Desculpa príncipe, mas o rei Zachary me pediu para te vigiar — disse Benny.

— É por isso que eu sempre fujo para algum lugar.

— Príncipe Erik o Rei mandou se apresentar na sala do reino.

O que esse velho quer comigo agora?

— Sim querido rei, mandou me chamar? — disse o príncipe Erik.

— Erik, eu e sua mãe decidimos e você vai se casar com sua prima, princesa de Laska.

— Vocês decidiram? E quando eu irei decidir alguma coisa?

— Você não pode falar assim com o seu pai Erick, é a terceira vez que você recusa um casamento. — Falou furiosa a rainha Judite.

— Vocês sempre estão decidindo a minha vida por mim, eu não irei me casar com a minha prima, eu irei fugir como eu fiz das outras vezes.

— Você vai se casar sim nós estamos mandando, não é como se você tivesse opção.

— Mamãe eu prefiro morrer a me casar com a minha prima, ela é tosca, dessa vez eu tomo veneno.

— Como você pode dizer isso para a gente? — indagou o rei.

— Senhor rei, eu o quero lhe dar uma condição, deixe eu escolher com quem irei me casar, se eu encontrar a mulher me casarei o mais rápido possível — disse o príncipe.

— Se esse for o jeito de te fazer casar com alguém, talvez eu aceite essa condição, mas primeiro você precisa trazer a mulher para a gente aprovar.

— Eu irei trazer ela, mas antes eu preciso andar por todos os vilarejos para encontrá-la.

— Meu filho você não irá trazer uma indigente para debaixo do nosso teto?

— Não mamãe, eu encontrarei alguma Lady ou Duquesa com certeza.

— Enquanto estiver andando pelos vilarejos não diga que você está encontrando uma esposa, diga que você está a ordem do rei para ver se todos estão bem.

— Pode deixar Rei.

— Também não vá para o último vilarejo, apenas pela área nobre dos vilarejos mais perto.

— Tudo bem mamãe.

— Benny irá com você.

Eles sempre colocam um guarda para me seguir, o que eles não sabem é que vou escolher a mulher que eu quiser, não ligo para títulos e se eles não aceitar quem eu escolher eu não me caso, a carruagem chegou e a gente foi em destino ao primeiro vilarejo do ouro, ele tem esse nome porque lá onde se encontra ouro que é levado para o castelo, esse vilarejo é o mais rico e demora pelo menos 2 dias para chegar nele.

—Sua alteza acorda, chegamos no Vilarejo de Ouro.

— Estava na hora não aguento mais ficar aqui dentro.

O primeiro vilarejo é refinado, com muitas vendas de pedras preciosas, as mulheres daqui são belas, irei dizer a mesma coisa em todos os vilarejos, minha mãe adoraria que eu encontrasse uma esposa aqui, muitos lordes moram nessa área por conta da nobreza.

— Peço a atenção de todos, meu pai o Rei Zachary me enviou para certificar se todos os vilarejos estão dentro dos conformes, ele quer mostrar que se preocupa com os moradores do reino, e eu quero me apresentar como o futuro rei de Armir.

Eu nem precisava falar nada, o povoado me ama, as mulheres estão sempre ao meu redor mas nenhuma me encantou.

— Vamos Benny, me leve até a casa real que existe aqui no vilarejo.

Em cada vilarejo existe uma casa para os nobres do reino se instalarem, de um vilarejo para o outro não é muito perto, quando cheguei em casa só queria deitar mas lembro-me que tenho que escolher uma esposa o mais rápido possível que seja do meu agrado.

— Benny, escolha mulheres diferentes e traga aqui, irei realizar uma avaliação com cada uma delas, lembre-se de não escolher nenhuma mulher que seja filha de lordes.

— De que tipo de mulher o senhor gosta?

— Mulheres ousadas, que sabem o que querem da vida.

— Pode deixar senhor.

Algumas horas depois Benny chegou trazendo 10 mulheres que de acordo com ele foi o que eu pedi, uma delas estava andando descalça.

— Eu irei realizar uma avaliação com cada uma de vocês separadamente, Benny leve as outras para a outra sala.

— Oi príncipe eu sou Ana, falaram que você queria uma mulher diferente para se casar, eu sei muito bem do que você quer. — A moça tentou agarrar o príncipe.

— Não é isso o que eu quero, não gostei de você, pode ir embora.

Essa mulher fede a bebida.

— Benny quem era essa mulher louca? — Perguntou o príncipe.

— Ela é prostituta.

— Por que diabos você trouxe uma prostitua? — Indagou o príncipe.

— Você disse que queria uma mulher diferente — disse Benny.

— Quantas ali são prostitutas? — Perguntou o príncipe.

— A metade.

— Desclassifica a metade então — disse o príncipe.

Eu não quero me casar com uma mulher da vida, isso seria um bom castigo para os meus pais, mas ainda sim nessa parte sou leal a eles, preciso de uma mulher pura, falei com todas as outras mulheres que sobraram e nenhuma delas me agradou.

— Benny vamos descansar agora, amanhã seguiremos viagem para o próximo vilarejo.

Ao amanhecer seguimos viagem, demorou um dia, chegamos no segundo vilarejo o Vilarejo Raste, aqui o foco é no comércio de todos os tipos, neste local você pode encontrar de tudo, existem muitos nobres vivendo nessa área também, como no outro vilarejo, já tem muita gente me esperando à notícia de que eu estou viajando pelos vilarejos chega rápido, desci da carruagem e tinha o triplo de mulher aqui querendo me agarrar, falei bem rápido o que tinha para falar e fui para casa.

— Benny vamos fazer o mesmo que da primeira vez, desta vez traga mulheres interessantes para mim.

Benny chegou com algumas mulheres, uma delas me chamava atenção, mas não era atração e sim desespero um vestido gigante com muitas flores, isso não me agrada nenhum um pouco.

— Eu sou Emma, meu pai é muito famoso aqui na região, eu sou a esposa perfeita para você, fique comigo e não se arrependerá.

A mulher sorria feito uma doida para mim, não quero dormir ao lado dela para o resto da minha vida.

— Próxima.

Chegou mais uma doida, Benny não entende mesmo o que eu quero, as outras meninas estavam empurrando o vestido gigante dela para ela conseguir passar pela porta.

— Desculpe a inconveniência agora, eu sou Ava prazer em conhecê-lo fiquei sabendo que estava à procura de uma esposa e estou aqui para me apresentar.

— E esse vestido? — Perguntou o príncipe.

— Ele é lindo, não é?

— Não, não é, próxima.

Imagina me casar com alguém que adora se vestir igual um saco de batatas, não dá, acabaram as moças e mais uma vez eu não me interessei por nenhuma, amanhã seguirei viagem para mais um vilarejo a fim de encontrar uma esposa que alegre meus olhos.

— Benny, vamos para o próximo vilarejo.

O próximo vilarejo se chama Lina demorou 5 dias para chegar aqui, ele tem foco na agricultura, plantação e animais, aqui vivem muitos fazendeiros, muitos buscam por essa área do Reino para ter uma vida relaxante, temos uma linda casa de campo aqui. Diferente dos outros vilarejos aqui não há muitas mulheres, as meninas são mais desarrumadas e fedem a coco de vaca, repeti a mesma frase e fui para a minha casa de campo, desta vez Benny me trouxe apenas duas mulheres. A primeira mulher cantou a música da cidade e tocou usando uma harmônica, a segunda falou que por dia tira mais de dez litros de leite, e como já era esperado eu recusei as duas.

Segui viagem para o quarto vilarejo chamado Dravilo voltado para Medicina, muitos médicos dessa região já salvaram a vida de pessoas do Reino, eles são habilidosos, demorou quatro dias para chegar neste vilarejo. Fui recebido com reverência e respeito, as mulheres não ficaram tentando chamar a minha atenção a todo custo, parece que eu gosto daqui, repeti a mesma frase e fui para casa. Benny trouxe 4 lindas mulheres desta vez, as três primeiras mulheres eram tranquilas e educadas, mas a quarta mulher era misteriosa me deixou com uma pulga atrás da orelha.

— Eu sou Dania, aprendiz de médico ajudo os pacientes daqui e dos outros vilarejos.

Ela é alta, cabelo negro grande, pele parda, seu corpo tem curvas maravilhosas que me faz querer ficar olhando.

— Ser mulher do Príncipe vai te trazer grandes responsabilidades.

— Eu já tenho muitas responsabilidades, tenho que conviver com pessoas doentes todos os dias, muitos aqui estão pegando varíola e morrendo, ser esposa do príncipe vai me dar uma vida confortável — disse a moça.

— Eu não falei isso como se o seu trabalho não fosse importante.

Um barulho estrondoso surgiu na sala principal com um homem entrando, Benny queria matar ele usando a espada, mas eu não deixei.

— Dania, o que você está fazendo aqui?

— Você é o pai dela? — Perguntou o príncipe.

— Eu sou o marido dela.

— Eu estou aqui para me casar com o príncipe, ele vai me dar uma vida confortável, estou cansada de ver tanta gente doente.

— Você é casada? Então eu não quero nada com você.

— Viu o que você fez entrando aqui, perdi a minha oportunidade com o príncipe.

— Tire esses dois daqui Benny.

Benny tirou eles, achei que tinha encontrado a minha parceira, mas pelo visto não, odeio mulheres mentirosas, minha última opção é ir até o último vilarejo em que fui proibido de ir. Benny amanhã iremos para Viene. — Mas Príncipe o Rei proibiu sua ida para este vilarejo

— Eu vou mesmo assim.

O próximo vilarejo chamado Viene não tinha foco em nada demorou apenas algumas horas para chegar aqui, era o último, as pessoas daqui são extremamente pobres, quando minha carruagem chegou as pessoas estavam implorando por comida. Não entendo por que os outros vilarejos são tão ricos? e aqui é assim, quando eu for Rei vou dividir a renda para que chegue deste lado do vilarejo também, eu nem sai da carruagem, pedi para Benny dar um pouco do dinheiro que a gente tinha para os pedintes e fomos embora, parece que terei que me casar com a minha prima mesmo, para chegar no Reino tenho que passar por todos os outros vilarejos.

Continuar lendo

Você deve gostar

Outros livros de Leidy Gomez

Ver Mais
Capítulo
Ler agora
Baixar livro