back
Baixar App Lera
icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
O CARA DA PORTA AO LADO

O CARA DA PORTA AO LADO

KayCe

5.0
Comentário(s)
4.7K
Leituras
25
Capítulo

Depois de sua mãe ir para o segundo casamento apos à morte de seu pai, Sofia vê sua vida ir mudando completamente, agora morando em um prédio de luxo onde no seu andar há somente dois apartamentos, um deles vazio e outro é seu novo lar, ela começa a pensar que a vida quer derruba-la, seu novo padrasto a olha de um jeito que não deveria olhar, sua amiga lhe trai e quando ela se vê apaixonado por um homem mais velho não sabe oque fazer. Dylan Cross, CEO, filantropo, 30 anos e solteiro, já em idade para casar é cobrado a todo momento por sócios e familiares, ate que ele decide se mudar pois a mídia estava muito em seu pé, assim que ele compra um vistoso apartamento e vê uma bela jovem que mora em frente, ele começa a duvidar da sua própria razão. oque será dele se não resistir essa jovem e pequena tentação? quais são as reais intenções do padrasto de Sofia para com ela?

Capítulo 1
1

Sofia:

Subo as escadas do pequeno prédio correndo, minha mãe disse que queria me dar uma noticia.

Assim que abro a porta correndo ouço sua risada da cozinha.

Parece que temos companhia.

- maeeeeee!!! - grito da soleira da porta.

- já disse para você não gritar assim.- ela disse aparecendo na sala. - vem, comprimento Jorge.

Ao entrar na sala vejo um senhor, creio que da mesma idade de minha mãe.

Cabelos negros escuros, rosto jovial.

Assim como o analisei ele fez o mesmo e vi um pequeno sorriso na sua boca.

Acho que nem ele percebeu que sorriu ao me analisar.

- muito prazer.- digo fazendo oque minha mae mandou.

- o prazer é todo meu. - ele responde, senti que quando falou prazer seu tom de voz mudou, minha mae parece não ter percebido.

- vem, vamos comer. - minha mae fala nos levando para a mesa de jantar que fica entre a sala e a cozinha.

Assim que nos sentamos minha mãe começa a nos servir.

- Sofia certo? - ele pergunta e eu afirmo.- sua mae me disse que gosta de escrever.

- sim, quero me tornar escritora, mas não tem muitas oportunidades por ai que me de um bom salario nessa área, então apenas escrevo por diversão e hobbie.

- creio que em São Paulo voce teria mais oportunidades.- ele diz.

- talvez, mas nunca que eu iria para uma cidade tao grande sozinha.- digo.

- na verdade, você não iria sozinha.- minha começa a falar.- Jorge me pediu em casamento.

E ela solta assim.

Do nada.

- casamento?- pergunto para ter certeza.

- sim, mas Jorge não é daqui então ele quer nos levar para morar com ele em são Paulo, vai ser melhor lá, assim você poderia escrever como quiser e talvez assim consiga uma proposta, já tem quase 18 anos.- ela diz.

Vou me mudar?

Para mim não tem problema, não tem mais nada me prendendo nessa cidade, estava namorando um cara da faculdade local, mas ele terminou comigo de uma hora para outra, não tenho muitos amigos.

Apenas Angela. Ela é rica e super popular mas de alguma forma quis ser minha amiga.

A única que eu tenho.

Contar para ela que vou embora vai ser difícil para mim, pois ela foi minha única amiga e passamos bons momentos juntas.

O jantar todo falamos sobre a tal mudança, pode ser paranóia minha, mas senti olhares estranho de Jorge e não gostei nada dessa sensação.

Assim que o jantar acaba deixo os dois na sala e vou para o meu quarto.

Pego meu celular para mandar mensagem para Angela.

Sofi:

Vai amanha nadar?

Angi:

Vou, vai aparecer?

Vou sim, tenho que te conta uma coisa. Te vejo há 13h.

Desligo meu celular porque sei que depois disso ela vai encher meu saco querendo saber do que se trata.

Logo em seguida eu durmo profundamente

#

Acordo as 10 h para tomar o café, adoro levantar tarde, mas minha mae fala que sou preguiçosa, levantar a essa hora é luxo nessa casa, oque me faz pensar que Jorge dormiu essa noite aqui e depois de passar a noite inteira acordada minha mae dorme em um sono profundo.

Tomo um banho, visto um vestido leve com o biquíni por baixo.

A área é um lugar onde os jovens vão se divertir, com bares e piscinas abertas ao publico, para nadar você só precisa ter a carteirinha confirmando que não tem doença contagiosa, ai ta liberado.

Vou para cozinha em busca do meu café da manha e encontro Jorge preparando panquecas.

- o cheiro é bom.- digo da bancada.

- sua mae vai acordar com fome, pensei em preparar algo.

- é bom ter alguem que cuide dela.- digo

Ele me olha com um sorriso e me avalia por um momento.

- vai algum lugar?- ele pergunta e eu levanto uma sombrancelha.

- sim,vou. - digo.

- aonde?- ele para de oque estava fazendo para me olhar.

- por que a pergunta?

- só quero saber.- ele responde meio grosso.

- desculpa mas não é da sua conta. - digo na mesma grosseria.

- é sim já que vou me casar com sua mae.

- vai casar com ela e não comigo. - digo já perdendo a paciência.

- um pequeno erro...- ele mormura.

- oque disse? - pergunto pois mal deu para entender.

- eu disse que você tem que avisar a sua mae para ela não ficar preocupada. - ele fala.

- não se preocupe não vou sair agora.

Com isso saio da cozinha, já perdi a paciência.

Mal casou com ela e acha que já pode agir como meu pai.

Consigo ficar no quarto ate quase o meio dia.

Saio e vejo minha mae rindo sentada no sofá aos braços de Jorge.

- mãe vou encontrar Angela. - digo já pegando uma mochilinha com protetor solar e uma roupa extra que deixo guardada.

- não volta tarde.- ela fala.

Acabo saindo mais cedo do que eu esperava de casa.

Quando chego são quase 12:30.

Vejo o carro de Angela parando no estacionamento ao longe e ela desce com mais duas meninas.

Raquel e bruna.

Duas metidas nojenta, nem sei como Angela consegue ser amiga delas.

Ela não me vê e caminha em direção aos trocadores.

Aperto o passo a fim de as alcançar.

Não consigo, quando entro no provador ela já entrou em um cubículo com as duas.

Decido pegar o cubículo ao lado e tirar o meu vestido enquanto elas se trocam.

Ouço a risada estridente de Raquel.

Ótimo, da para ouvir tudo.

Não quero saber das orgias que ela faz.

- mas da última vez foi muito bom...- Raquel fala.

Lá vai ela falar da orgia.

Mas o assunto muda de rumo bruscamente quando bruna toca em meu nome.

- mas e ai? A Sofia descobriu?- ela pergunta.

- não kkkk, aquela lá é uma tonta.- Angela diz e isso me choca.

- nem sei como fingiu ser amiga dela todo esse tempo.

- eu já te disse, o gostoso do Ricardo estava traçando ela, e eu queria ele. - ela diz rindo.- foi fácil ela me apresentou como melhor amiga e sabe que homens tem esse negócio de querer pegar a amiga, ai transamos feito loucos, acho que ela não dava para ele, por que o menino estava numa sede. - ela rí ainda mais.

Meus olhos já estão cheios de lagrimas, nem tiro mais minha roupa.

Não quero ouvir mais nada, apenas pego minha bolsa e saio dali.

Ótimo, vou mudar de cidade e não vou olhar para cara de ninguém mais desse inferno.

Assim que estou saindo da área vejo Ricardo que vem em minha direção.

Apenas o ignoro e contínuo andando.

Assim que saio sinto maos fortes segurando meu braço.

- ei, oque esta acontecendo? Ví você que estava chorando. - Ricardo me pergunta com uma voz carinhosa que não me engana mais.

- o que você quer Ricardo?- a pergunta sai ríspida.

- esta assim por que terminamos? Olha, se for, eu me arrependo, vamos sair amanha? Me de outra chance. - ele diz e sua cara de pau me impressiona.

- desculpa, mas não. - digo puxando meu braço de seu aperto.

- fui tao ruim assim como namorado? Era você que não me dava uma brecha. Onde esta a consideração pelo tempo em que ficamos juntos?- ele pergunta se fazendo de coitado.

- você enfiou na boceta da Angela junto com seu pinto. - grito e me Afasto dele.

É isso, vou seguir em frente e não preciso desses idiotas perto de mim.

Oque não mata fortalece, pelo me

Antes de sair vejo sua cara de espantado.

Ele não achou que eu descobriria.

Eu sou mesmo muito idiota.

É isso, não preciso de nenhum deles.

Oque não mata fortalece, pelo menos assim diz o ditado.

Escrito: 20/05/20

Publicado: 29/05/20

Baixar livro