back
Baixar App Lera
icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
A Esposa Mimada do Senhor Walsh

A Esposa Mimada do Senhor Walsh

E. MANWARING

5.0
Comentário(s)
450.2K
Leituras
227
Capítulo

Rosina acidentalmente engravidou depois de passar uma noite com um estranho. E para piorar, devido a um acordo, ela foi forçada a se casar com o homem com quem estava noiva desde a infância. O casamento deles foi apenas um negócio. No entanto, parecia que o destino queria que ela se apaixonasse por esse homem. À medida que o parto se aproximava, o homem partiu seu coração pedindo o divórcio, e ela acabou desistindo do casamento. Inesperadamente, seus caminhos se cruzaram novamente mais tarde. O homem alegou que sempre a amou, mas Rosina estava pronta para voltar para ele?

Capítulo 1
Primeira vez

"Essa é a sua primeira vez?", o homem sussurrou. Sua respiração quente tocou a orelha de Rosina Bentley e enviou um arrepio na sua espinha, mas ela não se atreveu a abrir os olhos. "Apenas relaxe. Não vou te machucar", ele disse com a voz rouca.

Rosina pensou em dizer algo, mas antes que pudesse fazê-lo, o homem apertou seu queixo e a beijou com força. Aquilo não podia ser considerado como um gesto carinhoso, já que a agressividade do beijo lhe causou um enorme desconforto. A mente de Rosina ficou em branco por um instante.

Quando finalmente o homem a soltou para ir ao banheiro, ela arrastou seu corpo exausto para fora da cama, vestiu suas roupas e saiu do quarto às pressas.

De repente, o toque do seu telefone rasgou o silêncio da noite tranquila. Quando passou os olhos no telefone, uma expressão de pânico tomou forma no rosto de Rosina. Sem pensar, ela correu para o hospital.

Lidando com uma sensação brutal de impotência, Rosina implorou ao médico: "Por favor... Por favor, salve minha mãe e meu irmão!" Seu corpo inteiro estava tão trêmulo que a assinatura que acabara de escrever no prontuário ficou irreconhecível.

Com um suspiro profundo, o médico a encarou com uma expressão de pena. "Não há nada que possamos fazer pelo seu irmão. Sinto muito pela sua perda..."

Essas palavras foram como uma facada no seu peito. Atordoada, Rosina sentiu uma forte tontura que quase a fez desmaiar, seus joelhos se dobraram e ela caiu no chão.

Oito anos atrás, quando ela tinha apenas dez anos, seu pai mandou ela e sua mãe, que estava grávida, para o estrangeiro, apenas para abandoná-las. As duas não tiveram escolha a não ser se defender sozinhas em meio ao campo de batalha desse mundo caótico. Alguns meses depois, seu irmãozinho mais novo nasceu. Quando o garoto completou três anos de vida, ele foi diagnosticado com autismo. Rosina e sua mãe passaram a trabalhar em empregos de meio período para poder sobreviver, mas o repentino acidente de carro deixou tudo no fio da navalha.

Incapaz de suportar tamanha dor, Rosina perdeu a consciência.

"Senhorita? Senhorita! Enfermeira! Essa garota desmaiou..."

Um mês depois, Rosina segurava um pacote de comida para viagem enquanto o elevador subia para seu andar designado. Após um tratamento intensivo, a condição da sua mãe havia melhorado significativamente. Já seu pequeno irmão não teve essa sorte e não sobreviveu, deixando-a profundamente deprimida. Isso se percebia em vários aspectos, desde a perda abrupta de peso à expressão constante de peso no seu rosto jovem.

"Ding!", soou a campainha do elevador.

Rosina respirou fundo e se aproximou da enfermaria em que sua mãe estava internada. Quando estava prestes a entrar, ela ouviu alguém falando lá dentro.

"Josie, você e a senhora Walsh eram melhores amigas. Você concordou que seus filhos deveriam se casar, se lembra? Sua filha deve se casar com a família Walsh..."

"O que diabos você está insinuando, Perry Bentley? Vá direto ao ponto!", Josie Morris exclamou enquanto encarava o homem de pé ao lado da sua cama.

Não por acaso, era o mesmo homem que a abandonou grávida com a sua filha num lugar completamente estranho. Oito anos haviam se passado e essa foi a primeira vez que ele se preocupou em procurá-las, mas suas intenções não eram nada sublimes. Sua audácia era tanta que ele apareceu depois de tanto tempo para tentar casar Rosina com um estranho!

"Ele é o filho mais velho da sua melhor amiga. É um rapaz muito bonito e, bem, você já conhece os antecedentes da família Walsh, certo? Se casando com esse rapaz, Rosina terá uma vida de muita riqueza e conforto..." De repente, o homem hesitou e sua voz sumiu por um instante.

De fato, o senhor Walsh era um homem nobre e bonito, mas um acidente recente o deixou incapacitado. Há mais ou menos um mês, ele viajou para o exterior a negócios e foi picado por uma cobra venenosa. A consequência disso foi a paralisia de alguns nervos centrais, o que o deixou paralisado da cintura para baixo. Se Rosina se casasse com ele, sua vida matrimonial seria privada de sexo e de alegria.

De repente, a porta da enfermaria se abriu e Rosina rompeu no ambiente com um pacote de comida nas mãos. "Vou me casar com ele! Mas tenho uma condição."

Olhando para a porta, Perry ficou atordoado por um instante. Afinal, ele não via Rosina há oito anos. Ela tinha crescido tanto! Ela estava muito magra, quase como se estivesse desnutrida. No fundo, ela não parecia tão adorável quanto sua filha mais nova.

"Que condição?", Perry perguntou com as sobrancelhas arqueadas.

"Mamãe e eu vamos voltar para casa e você terá que devolver tudo o que pertence a ela. Só assim aceitarei me casar com esse homem!", Rosina disse com os punhos cerrados.

"Rosina...", Josie disse, na esperança de colocar algum juízo na cabeça da filha. A garota já tinha passado por tanta coisa ao seu lado que ela não podia simplesmente ver sua filha ser forçada a se casar com alguém que nem sequer conhecia.

Preocupado que Rosina mudasse de ideia abruptamente, Perry concordou com os seus termos apressadamente: "Ok, ok! Contanto que você se case com ele, eu as levarei de volta para casa."

"E a propriedade da minha mãe?", ela perguntou. Quando percebeu que Perry hesitou, Rosina insistiu: "Tenho certeza que minha irmã é muito bonita e merece um marido melhor, não é? Se ela se casar com um homem deficiente, toda a sua vida estará acabada. De qualquer forma, você e mamãe estão divorciados, não estão? É mais justo que você devolva o dinheiro que ela deu para a família Bentley."

Ao ouvir isso, Perry evitou contato visual com Rosina, claramente se sentindo culpado. Após uma breve pausa, ele decidiu ceder. "Ok! Vou devolver tudo assim que você se casar com ele."

Sua filha mais nova era tão linda. Como diabos ele a deixaria casar-se com aquele homem deficiente? Seria um desperdício colossal do potencial da garota. Com isso em mente, Perry sentiu uma leve sensação de reconciliação, mas seus sentimentos de ódio por Rosina só se agravaram um pouco mais. A garota não só tinha uma língua afiada, mas também era gananciosa pelo seu dinheiro.

Com um olhar frio, Perry a encarou e disse: "Cuidado com a sua língua, sua pirralha rude!"

Rosina revirou os olhos em desprezo, sem nenhuma intenção de discutir. Ela não só estava se sentindo muito fraca, como também não podia arriscar ofender Perry.

"Arrumem suas coisas! Partiremos amanhã." Com essas palavras, Perry se virou e saiu da enfermaria sem esperar por uma resposta.

Baixar livro