icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
A Noite Encantada

A Noite Encantada

icon
Capítulo 1
Saboreando
Palavras: 1545    |    Lançado em: 20/04/2020

Em algum lugar da cidade de Roma, quando a lua lançava um brilho místico na noite escura, um cruzeiro branco luxuoso atravessava silenciosamente as calmas torrentes do oceano. A festa no barco estava em pleno andamento, com uma atmosfera cheia de canto e dança. Todos a bordo estavam felizes, desfrutando da atmosfera animada e divertida.

Enquanto isso, numa sala de luxo no navio, uma silhueta era vista projetada na porta de vidro, embaçada pelo vapor do chuveiro quente, tornando-a misteriosamente atraente. O som da água pingando no chão contrastava fortemente com o silêncio da noite. Na sala havia uma atmosfera acolhedora e atraente.

Do outro lado da porta de vidro, um homem esperava pacientemente, encostando na cabeceira da cama e, entre os dedos finos, estava segurando um cigarro meio fumado. Apreciando cada nuvem de fumaça, ele parecia irresistivelmente viril, sabendo que fumar era um símbolo de masculinidade. Tocando suavemente as cinzas do cigarro, ele respirou fundo e soltou uma bela série dos anéis de fumaça. Para ele, eles eram como uma obra de arte. A pele marrom do homem exalava um brilho atraente na penumbra. Sua constituição era magra e firme, sem vestígios de gordura. Todos os aspectos da sua aparência eram simplesmente perfeitos.

Ele estreitou os olhos um pouco, aqueles olhos tão afiados quanto os duma águia, emanando uma estranha sensação de languidez sinistra. Seu rosto bem esculpido era irresistível, seus lábios sensuais, finos e rosados mostravam um sorriso com um leve traço de zombaria. Seus olhos, ardendo em fogo e desejo, olhavam pela porta de vidro. Ele examinava cuidadosamente cada centímetro das dobras e curvas da mulher no banheiro.

A porta se abriu lentamente. O vestido de seda branca que a mulher usava exibia sua figura atraente. Ela estava secando seus longos cabelos negros com uma toalha. Ajustando o roupão, ela se virou para ele e deu um sorriso tentador.

Ele ficou impressionado com a explosão repentina dos hormônios ao vê-la. Ela parecia sensual enquanto esfregava o cabelo. Por baixo do cabelo estava o rosto adorável, um rosto que não tinha manchas. Era a definição de beleza incrível. Aquele traço dum leve rubor nas bochechas era um banquete para os olhos. Ele se perguntou se talvez houvesse algo na sua pele que a fizesse corar após cada banho, já que ele não podia deixar de olhá-la. Para ele, ela parecia uma flor delicada em plena floração.

"O efeito do álcool já passou por você?" perguntou o homem, ainda com o cigarro entre os dedos que o fazia se sentir como um homem de verdade. "Sim", respondeu a mulher, erguendo as sobrancelhas.

Rapidamente, o homem bonito e corpulento que estava deitado na cama alguns segundos antes se aproximou dela. Ele estendeu as mãos para cumprimentá-la, passando os dedos pelas costas delgadas dela enquanto a abraçava. Com os lábios pressionados no ouvido da mulher, ele sussurrou: "Mmm, você cheira muito bem". A sensualidade oculta do sussurro a excitou e a fez jogar a cabeça para trás. Ele fez isso intencionalmente.

Observando o homem brincar com ela, ela corou timidamente. Ainda se sentia um pouco tonta com o efeito do vinho. Se sua mente não tivesse ficado em branco naquela noite, não iria dormir com esse homem.

Ele lembrou que já era a segunda metade da noite. Antes disso, ela estava tão bêbada que não conseguia se lembrar de como havia chegado lá. Os momentos de loucura com o homem, seguidos dum banho quente, haviam restaurado quase completamente sua sobriedade, ou pelo menos revivido sua sanidade.

"Por favor... Eu devo ir ", a mulher implorou ao homem, sua mente estava clara e ela estava recuperando a plena consciência. Coberta sob o roupão, ela sentiu uma dor no corpo e um caos total na sua mente. Na noite da sua formatura, ela não podia acreditar no que havia acontecido com ele nesta terra estrangeira com um total estranho.

"Meu nome é Rufus Luo", o homem se apresentou em vez de deixá-la ir.

O tom frio da mulher não conseguiu afastar o homem, pelo contrário, o induziu a se aproximar ainda mais. A voz profunda do homem era tão cativante, e o sorriso no seu lindo rosto era tão terrivelmente tentador e carismático.

"Olha, senhor, você não precisa me dizer seu nome. Estamos ape

nas atendendo às nossas necessidades individuais. Depois desta noite, não haverá nada entre nós. Sem amarras."

A garota parecia chateada com o ato de se apresentar, o que despertou nele um interesse num maior desenvolvimento do relacionamento duma noite. A garota se virou, seu cabelo molhado deixou elegantemente um toque fresco e suave na pele dele.

"Você foi ótima esta noite. Haverá uma próxima vez? " disse o homem chamado Rufus, erguendo levemente as sobrancelhas. O sorriso no seu rosto era tão deslumbrante que a mulher, que se esforçou muito para manter uma distância segura entre ele e ela, também ficou um pouco atordoada.

"Desculpe. Tenho que ir agora". A garota finalmente reuniu todas as suas forças e decidiu sair.

Sem hesitar, a mulher tirou o roupão sob o olhar do homem e juntou rapidamente as roupas espalhadas no chão para se vestir. Quando ela estava pronta, ela pegou sua bolsa rapidamente com as mãos finas e trêmulas, mas a bolsa caiu no chão e tudo dentro estava espalhado no chão.

Ela franziu a testa e suspirou. E depois colocou o cabelo comprido atrás da orelha para não bloquear sua visão e se inclinou para pegar suas coisas. Isso fez com que o homem desenhasse um sorriso profundo no rosto. Desta vez, foi um sorriso significativo, como se descobrisse algo realmente interessante.

Arrastando-se rapidamente da cama, antes que a mulher pudesse detê-lo, ele pegou o passaporte na esquina. Naturalmente, ele olhou para as páginas do passaporte. Ele não pôde evitar que seu sorriso aumentasse.

"Cassandra Qin?", ele leu o nome.

"Devolva!" a mulher gritou.

Ao ouvir o homem que a chamava pelo nome, a garota, que até então estava ocupada pegando coisas do chão, se levantou rapidamente para tirar o passaporte das mãos dele. Seus belos olhos brilhavam com fúria e fogo, olhando para o homem que, com muita grosseria, olhara para o passaporte sem o consentimento dela.

Ela provavelmente não tinha previsto que o que aconteceria a seguir seria ainda menos educado. De repente, ele a puxou para seus braços, apreciando o aroma familiar que a mulher exalava e que deleitava seu olfato. Estando tão perto do homem, num estado consciente, ela começou a ficar nervosa e seu batimento cardíaco começou a acelerar. Não apenas o batimento cardíaco acelerou, mas também a respiração. De repente, os sentidos daquela noite louca começaram a inundar sua mente.

"Vamos nos beijar adeus?" o homem travesso perguntou em tom brincalhão.

Embora disfarçada de pergunta, essa frase era realmente uma narrativa, para demonstrar que ele era "educado" o suficiente para pedir o consentimento da mulher nos seus braços antes de beijá-la. No entanto, parecia que ela não tinha "não" como opção, pois não tinha como escapar. Assim que ele terminou a frase, antes que ela pudesse responder, ele selou a boca com os lábios sensuais.

Com os braços em volta da cintura da mulher, o homem não lhe deu chance de resistir. Após o beijo prolongado, a garota mal conseguiu se segurar, então não teve escolha a não ser continuar abraçando-o. Olhando para o homem com raiva crescente, ela se sentiu mais desprotegida a cada segundo que passava. No instante seguinte, ela não esperou mais para escapar do local, deixando suas coisas ainda espalhadas no chão, e um sorriso descaradamente malicioso no rosto do homem.

Com uma batida forte na porta, o quarto espaçoso ficou em silêncio, com o homem dentro sozinho.

Seus olhos olharam em volta, como se tentassem encontrar alguns pertences da mulher, e finalmente pousaram os olhos na mancha vermelha na cama. O sorriso dele agora se tornou mais misterioso e mais difícil de interpretar.

Este homem viveu em Roma por muitos anos e na noite anterior ele foi convidado para uma festa do vinho, onde conheceu a garota encantadora. Era extremamente raro que, numa aventura noturna, seu companheiro fosse uma virgem. Isso foi considerado sorte? Ele não conseguiu responder à pergunta, pelo menos ainda não.

Tudo o que sabia era que essa mulher deixara uma impressão indelével na sua mente. E mesmo até aquele momento, ele ainda estava saboreando a noite cheia de paixão e loucura que havia passado com ela, e ele ainda podia perceber o aroma dela impregnado na pele dele.

Reclame seu bônus no App

Abrir