back
Baixar App Lera
icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
4.8
Comentário(s)
62.7K
Leituras
32
Capítulo

Você já sonhou com algo que parecia impossível? Eu Sim! Meu nome é Rose Clary,mas prefiro que me chamem de Rose. Sempre fui apaixonada por Dornan,primo de Kate,uma das minhas melhores amigas. Após o término do ensino médio,decidi esquecê-lo,pois uma nova vida na faculdade me esperava. Mas acabei sofrendo um acidente e tudo mudou,pois foi quando conheci Mark. Um homem maravilhoso,que ao seu lado pude sentir e viver momentos maravilhosos. Um romance perfeito. Mas infelizmente isso mudou quando descobri que o que estava vivendo não passava de um SONHO!! Conheça esse romance e se surpreenda com as reviravoltas que alguns segredos seram capazes de provocar na vida de Rose. Será que seu sonho se tornou realidade e provou que o amor não tem limites e que pode sim estar interligado entre o sonho e a realidade? Isso é o que você vai descobrir!!

Capítulo 1
Seja bem vinda Rose Clary.Pronta para passar as férias trabalhando

Este Livro é dedicado a todos os leitores que um dia já sonharam com algo que achavam impossível e de alguma forma se tornou possível .

Pois acredito que sonhos são para realizarmos algo que gostaríamos de viver ou desejamos ter.

Principalmente as que achamos impossíveis!

Por isso, Sonhe, Acredite, Busque!

Que por mais difícil que pareça ser, sempre há uma chance de acontecer.

E acredite!

Provavelmente você não estará preparado,pois ele acontecerá assim…

Quando menos se espera!

Te Conheci em meu Sonho

Pensar em como a vida é frágil me leva a uma pergunta.

Se pudesse no último minuto de vida mudar algo,o que mudaria?

E sem a menor dúvida minha resposta seria.

NADA.

Capítulo 1

Meu nome é Rose Clary,mas prefiro que me chamem apenas de Rose.

Minha mãe, Grace, detesta que encurte meu nome, pois ele foi dado em homenagem a minha avó materna,que infelizmente faleceu alguns anos atrás por causas naturais, devido a sua idade avançada.

Sinceramente? Imagina você sendo chamada o tempo todo de Rose Clary, principalmente na escola, um ambiente cercado por pessoas muitas vezes insensíveis, que se preocupam mais com o status que cada um tem, do que as consequências que podem causar aos outros com suas palavras maldosas,usando a justificativa de estarem apenas fazendo “brincadeiras de adolescentes”.

Mas,graças a Deus e às minhas duas melhores amigas,Kate e Chloe, esse não foi o meu caso, já que sempre ficamos no ranking das garotas mais populares,pois as duas são umas das garotas mais ricas da escola e as mais desejadas.

Éramos conhecidas como as três AIs (Amigas Inseparáveis).

Na escola nós três, éramos inseparáveis, estudávamos na mesma sala e fazíamos todos os trabalhos possíveis juntas,pois uma completava a dificuldade da outra.

Às vezes,tínhamos algumas discordâncias, mas devido à promessa que fizemos quando nos conhecemos de que não importasse o que acontecesse, sempre ficaríamos unidas, não ficávamos mais de um dia sem nos falarmos.

Nascendo aí nossa longa amizade.

E para um trio desse, exigia no mínimo termos um nome descolado.E foi ao lado delas que passei todo esse período de estudo e as melhores experiências relacionadas a diversão também fora da escola.

Moramos em um lugar maravilhoso.

Adoro Yukon, principalmente quando neva, deixando a cidade toda coberta, e mesmo com os muitos transtornos que precisamos enfrentar nas ruas,com os carros e plantações destruídos por ela,todos adoram esses dias de inverno intenso.

Nossa família tem uma Loja no centro da cidade e meu Pai, Garry, é conhecido e admirado por todos, devido a sua personalidade gentil e justa.

Minha mãe Grace trabalha ao seu lado, mas para falar a verdade está mais preocupada em afastar as clientes aproveitadoras do que com o próprio negócio, se é que me entendem.

E dou razão a ela, meus pais ainda são novos e bonitos, se casaram jovens e me conceberam cedo, ainda chamam muito atenção de outras pessoas, mesmo todos sabendo que se amam.

Infelizmente não tive irmãos, decidiram que seria somente eu, apesar de sempre ter pedido para me darem um irmão de presente, mas mesmo com todos os meus dramas ao longo da vida não colou e tive que me contentar apenas com os amigos e primos distantes.

Bem esses meses após o término do ensino médio era para ser de diversão e descanso, pois agora que me formei na escola, pretendia usar o pouco tempo livre que tinha para realizar algumas coisas pessoais antes de entrar na faculdade no curso de Administração na cidade de Nova Vilton Flanste.

Estava lá a faculdade dos sonhos de muitos estudantes, por ser a melhor na questão de estudos e formação profissional e por seu campus ser localizado perto de uma praia maravilhosa que cerca a cidade.

Tinha a escolhido no momento em que tomei consciência de que seria a única herdeira para continuar com os negócios da família e desde então tinha me esforçado para isso.

Por isso pretendia aproveitar o tempo que ainda tinha aqui em Yukon para me divertir, pois ficaria os próximos quatro anos longe da minha cidade e dos meus pais.

Só que não.

Amanhã começo a trabalhar em nossa loja em tempo integral até o início das aulas e meus finais de semana com certeza serão um tédio, já que minhas melhores amigas estão curtindo as férias fora da cidade, e voltarão apenas algumas semanas antes de irmos para lá.

Mas pensando bem….

Posso sim fazer uma coisa antes de virar uma pessoa totalmente responsável com os estudos, não que eu não seja, apenas queria sair daqui tendo feito a única coisa que ainda não tinha tido coragem de experimentar.

E essa “coisa” que pretendia fazer com certeza é...

Encontrar alguém decente para tirar minha virgindade.

Durante o período na escola, mesmo andando com as meninas mais lindas e ricas da escola, não aproveitava como elas, principalmente quando se tratava de meninos.

Uma porque, a maioria deles só estavam interessados na fama que teriam por ficar com uma delas, e outra que sempre achei os garotos da escola imaturos para pensar em alguma coisa mais séria com algum deles, com exceção de um: Dornan.

O garoto mais popular da escola e primo de Kate.

Desde o ensino médio, era apaixonada por ele, por três motivos: Era lindo, educado, mas o melhor de tudo tinha um sorriso maravilhoso, que fazia meu coração disparar sempre que estava perto de nós.

Mas mesmo sendo apaixonada por ele, nunca disse nada a Kate e Chloe, pois sabia que se soubessem certamente fariam alguma coisa para que ficasse com ele.

E claro que queria que isso se tornasse realidade, porém desisti dessa ideia, assim que ele começou a namorar com Evelyn. A verdadeira patricinha da nossa sala e descobrir que o relacionamento deles era além dos beijos, coisa que eu ainda não estava disposta a fazer antes de terminar a escola.

Evelyn, era o tipo de garota, que não se incomodava em chamar a atenção das pessoas, principalmente dos meninos, e usava a beleza que tinha para sempre conseguir o que queria, principalmente quem queria, e a odiava por isso, pois sabia que no fundo não gostava dele, apenas namorava por serem juntos o casal mais popular da escola.

E desde então, resolvi amá-lo a distância e em segredo, ficava feliz apenas em vê-lo sorrindo.

Não me preocupava muito em ser a única delas mais “certinha” nessa questão, pois quem eu gostava não estava disponível. Mas no segundo ano, devido a insistência das meninas, fiquei pela primeira vez com um garoto da sala e amigo de Dornan: Welke.

Welke era a prova viva de um verdadeiro galanteador de garotas, que ficava só por diversão, e por incrível que pareça, o responsável pelo meu primeiro beijo, se é que aquilo foi um beijo, uma desordem de língua em movimento, quase impossível de acompanhar, foi uma experiência nada agradável, acho que tinha razão em esperar tanto tempo para beijar pela primeira vez.

Foi no aniversário de Kate que ficamos, mas para meu azar, fomos pegos em flagrante por Dornan, e fiquei ainda mais envergonhada por estar justo com o amigo dele. Sabia que para ele não significava nada me ver ficando com seu amigo, mas para mim, foi o fim de uma possibilidade em ficar com ele algum dia.

E depois deste dia, passei todos os outros, evitando olhar diretamente para Dornan na escola, mas era impossível não termos contato, já que estudávamos no mesmo lugar e era primo presente de Kate, e sempre fazia questão de ficar conosco nos momentos que podia.

Alguns dias depois, descobri que Welke, tinha contado sobre nosso beijo para todos da escola, e fiquei muito irritada com isso, e deste dia em diante comecei a ser ainda mais notada pelos outros garotos, me deixando ainda mais envergonhada quando estava perto de Dornan.

Aquela foi a primeira e a última vez que fiquei com alguém da escola, e decidi que só ficaria novamente depois que nos formássemos, para que não precisasse ficar evitando depois esse tipo de situação constrangedora.

Mas agora, as coisas mudaram, eu amadureci, já sou de maior e logo entrarei na faculdade, e sei que lá será diferente.

E se quero mostrar que já sou madura o suficiente, a primeira coisa que deveria deixar de ser é uma "garota"e me tornar uma "mulher" literalmente.

Pois não quero ser a garota virgem do campus, que não sabe como é estar na companhia de um homem, mesmo que esse não seja o homem que ficará ao meu lado pelo resto da vida.

Mas não se assustem, não vou sair por aí me oferecendo, ou sair com qualquer um, ao contrário, o escolherei rigorosamente, para que pelo menos minha primeira vez seja perfeita de verdade.

E para que isso aconteça,a primeira coisa que farei, será uma pequena lista dos requisitos indiscutíveis, que essa pessoa precisa ter para ganhar minha recompensa.

Requisitos para ganhar meu presente surpresa.

.Não ser compromissado.

E isso é indiscutível.

.Ser inteligente, responsável e sincero.

Pois significava que era uma pessoa que valia a pena me entregar.

.Gostar de pelo menos algo que gosto.

Era uma forma de me fazer pensar que teríamos algo em comum.

.Passar pelo teste de três encontros, sem beijo.

Pois tinha certeza de que, se nesses encontros houver beijos,certamente não conseguirei fazer o que pretendia sem magoar a outra pessoa, já que é pelo beijo que duas almas se conectam. Por isso queria algo que fosse apenas casual e sem possibilidades principalmente de me apaixonar.

E por último e mais importante de todos…

.Que não queira um relacionamento sério.

Acredito que alguém com estas qualidades, e passe por esses quesitos, será digno de realizar meu desejo de me tornar mulher sem que eu me arrependa depois.

Não me importo tanto com a aparência, contanto que tenha um sorriso lindo. Pois o sorriso reflete a alma, e a alma é a única coisa que não pode ser mudada.

Quanto a última opção, coloquei para evitar problemas futuros, pois como disse, no momento não quero entrar em um relacionamento sério, já que a faculdade tomará muito meu tempo e com certeza vou conhecer pessoas novas, principalmente os veteranos da faculdade.Pois Dornan foi para uma outra faculdade também renomada, me deixando assim livre para me apaixonar por outra pessoa.

Falando em faculdade...Meus pais não gostaram da idéia de ficar longe por quatro anos, pois viria apenas nos natais para economizar o dinheiro com as longas viagens.

Mas, por ter escolhido uma renomada, aceitaram me deixar ir para longe, mas exigiram que levasse os estudos a sério e não passasse os finais de semana em festas com garotos, pois conheciam a fama destas festas.

E assim prometi, já que não era mesmo minha intenção fazer isso, a não ser que encontrasse alguém lá que valesse a pena me distrair um pouquinho.

Agora,o que tenho que fazer, é encontrá-lo antes que as aulas comecem, e para minha sorte terei o lugar ideal para começar a procurar:

A Loja da Família Sullivan.

A nossa loja!

Por ser um lugar onde muitos homens vão à procura de ferramentas e peças para todos os tipos de trabalho, e graças a fama do meu pai, atendemos gente da cidade inteira, pois conhecem a qualidade e variedade de nossos produtos é bem movimentada.

Pensando bem, acho que trabalhar lá em tempo integral não será tão ruim quanto eu pensava…

No dia seguinte….

-ROSE CLARY, acorda! Ou vai ter que ir a pé para a loja!-Gritava minha mãe ao bater na porta.

-Já estou acordada.-Respondia escondendo meu rosto no travesseiro.

-Espero que não esteja mentindo, ou seu salário será confiscado.-Dizia me alertando.

Como pode me chantagear com isso, sendo que ainda nem o peguei, minha mãe realmente me conhece bem, pois no mesmo instante me levantei desesperadamente me arrumando em seguida. Não podia perder minha única fonte monetária.

Coloquei meu uniforme, casaco e sai escada abaixo sentido a cozinha onde meus pais me esperavam.

-Viu, disse que já estava acordada.-Falei sorrindo para a minha mãe, em seguida sentando-me à mesa.

-Não me importo com o que faça com suas horas de sono, contanto que cumpra o horário de se levantar.-Respondeu séria.

-Tudo bem já entendi.-Falei levantando as mãos em sinal de concordância.

Em seguida tomamos nosso café, e saímos para um longo dia de trabalho.

Nossa loja não era muito longe de casa, apenas alguns minutos de distância, mas com o dias de neve, demoramos o dobro de tempo devido a neve acumulada nas estradas.

Chegando, abrimos a loja e logo Kevin e Lorraine chegaram; os outros dois funcionários que trabalhavam conosco.

Kevin, o mais velho da casa, trabalhava com meu pai desde a adolescência. Era jovem, bonito, inteligente, responsável, mais velho que eu, apenas cinco anos, seria um ótimo candidato, se não estivesse no momento encaixado no primeiro requisito: COMPROMISSADO.

E isto está fora de qualquer discussão.

Fora que se meu pai soubesse o que estou pretendendo fazer, me deixaria sem dinheiro durante a faculdade inteira.

Lorraine, era mais velha que eu apenas dois anos, mas diferente de mim, era muito séria, quase não conversava muito comigo, quando vinha trabalhar em alguns finais de semana, e quase não sorria muito para os clientes, o que me deixa bem curiosa em saber o que há de trás dessa seriedade toda. Mas fora isso era uma ótima funcionária.

-Já que não tenho opção...Mas por favor Kevin só Rose.-Disse-me fingindo de zangada.

Ele sorriu, pois sabia que não gostava que me chamassem pelo nome inteiro, e como já o conhecia o suficiente para saber que adorava zuar com os outros entrava na brincadeira.

-Bem vinda.-Falou Lorraine secamente.

-Obrigada.-Respondi sem mais palavras.

-Agora que já estão todos comprimentados, vamos trabalhar que esses dias, são os mais puxados devido a quantidade de coisas que estragam com o frio e a neve, principalmente você garotinha que precisa desde já ir se acostumando com os negócios.-Falou meu pai nos dispersando.

Em seguida, retirei meu casaco, pois graças a tecnologia, a loja tinha um climatizador perfeito, deixando o ambiente super agradável nesses dias de frio intenso.

E assim que o primeiro cliente entrou, minha busca começou.

Bem quase…

-Bom dia senhor Dime.-Disse sorridente.

Senhor Dime, era um cliente já de idade, conhecido da família, morava na cidade com a esposa, tinha dois filhos, porém ambos moravam em outras cidades, tudo que sabia era que eram formados cada um em uma área diferente, mas não sabia qual a área específica de cada um, nem se eram casados ou não.

-Olha se não é nossa querida Rose Clary. Que bom estar trabalhando aqui.-Disse gentilmente me cumprimentando.

-Bem alguém precisa tomar conta dos negócios da família.-Respondi brincando.

-Quero que se lembre disso na hora de acordar.-Falou minha mãe ao meu lado me provocando.

Olhei para ela fazendo cara de irritada, e ele caiu na risada ao ver minha expressão.

-Se quer um conselho, aproveite bastante esse tempo com seus pais, pois com certeza sentirá falta deles depois. Digo isso por experiência própria, já que meus filhos vivem dizendo que sentem falta de casa, mas quase nunca vem nos visitar.-Falou meio triste.

Entendi, o que quis dizer, que por mais que os pais peguem no nosso pé, nos amam, e só querem que façamos a coisa certa.

Então olhei para minha mãe e com um sorriso sussurrei,eu te amo.

Ela escutou e retribuiu.

-Eu também.

-Obrigado pela dica senhor Dime, e espero que seus filhos voltem logo.-Disse a ele.

-Eu também.-Disse com uma pequena animação.

Depois de dizer o que precisava o atendi e em seguida saiu se despedindo de todos.

Após o senhor Dime, apareceu alguns outros clientes, mas parece que o primeiro dia não foi muito bom, que os que apareceram, ou eram muito mais velhos, ou tinham uma aliança na mão, ou simplesmente não se encaixavam em nenhuma das opções, principalmente no quesito educação.

E assim que voltamos para casa, sentei em minha cama, peguei minha lista, e suspirei.

Com certeza essa questão, seria bem mais difícil de resolver do que pensava.

E assim seguiu a primeira semana de busca, sem nenhum pretendente que se encaixasse nas opções.

Mas pelo menos era final de semana, e estaria liberada das minhas funções, então passaria ele aproveitando o máximo que podia.

Aproveitei para comprar algumas coisas que levaria para o campus onde ficaria nos próximos anos, no centro da cidade, e à noite iria ao Pub Hot Drink, um bar super badalado e refinado da cidade, e frequentado por várias pessoas de diversas idades,e principalmente por homens mais interessantes.Um ótimo lugar para encontrar um possível pretendente.

Queria muito ir acompanhada, mas no momento estava sem opções já que minhas amigas Kate e Chloe decidiram fugir do frio e se bronzearem numa praia em Toronto me deixando sozinha, já que ao contrário de mim, nenhuma delas precisavam trabalhar,por conta de suas famílias.

Nós também sempre tivemos uma vida acima da média, pois com a loja conseguimos manter um certo padrão de vida confortável, mas nada comparado a fortuna da família das meninas.

Mas apesar de tudo que tinham, Kate e Chloe nunca deixaram me sentir inferior a elas, ao contrário, me valorizavam ainda mais por ajudar meus pais e conseguir minhas próprias conquistas.

Mas independente de não tê-las comigo, não iria desistir, e me arrumei maravilhosamente para sair.

-Mãe, pai, estou saindo com o carro.-Disse os avisando enquanto assistiam à televisão.

-Aonde vai, não volta tarde, tenha cuidado.-Disse minha mãe desesperada enquanto me via saindo pela porta.

-Pode deixar.-Respondi não dando oportunidades para perguntas.

Peguei o carro e fui ao Pub.

Estava bem movimentado e ao entrar sentia que ali com certeza teria homens solteiros e legais para um possível escolhido.

Sentei em frente ao balcão e pedi uma bebida sem álcool, pois ainda era responsável o suficiente para não dirigir após beber.

A primeira coisa que fiz foi analisar o ambiente, pois não o conhecia pessoalmente, apenas tinha ouvido falar na sua fama. E realmente era um ambiente delicioso, músicas agradáveis, coquetéis diferenciados, barmans jovens e sarados, um ótimo lugar para ir com amigos e conhecer gente interessante.

Como imaginei, não demorou muito para o banco ao meu lado ser ocupado por um rapaz mais novo.

-Duas bebidas por favor.-Falou, ao barman, sentando -se no banco.

Em seguida, o barman colocou dois copos de whisky à sua frente, e os pegou, ele se virou me oferecendo um.

-Esta bela garota, aceita me acompanhar com uma bebida?

-Não obrigado, não estou bebendo álcool no momento.-Disse recusando educadamente.

Ele deu um sorrisinho malicioso e disse.

-Bem já que não bebe, acho que deveria voltar para casa garotinha.

No mesmo instante me irritei e respondi a ele.

-Quanto a isso não se preocupe, tenho pai para me dizer o que fazer.-Disse também alterando a voz.

-Calma ai lindeza, só queria fazer uma brincadeira.-Falou se defendendo.

-Pois vá fazer suas brincadeiras com outra.-Disse dando as costas a ele.

Otário, o que pensa que é para falar assim comigo? Pensava ainda irritada.

Em seguida percebi que se levantou, e foi para outro lugar levando junto seus copos .

Esse com certeza está fora de questão.

Peguei meu copo e tomei mais um gole. E novamente o banco foi ocupado, agora por um rapaz que aparentava ser um pouco mais velho.

-Posso te fazer companhia? -Perguntou esperando minha resposta.

-Claro, fique a vontade.-Respondi não muito animada devido a última companhia.

-Prazer, meu nome é Vance.-Disse estendendo a mão.

-Rose.-Falei retribuindo o comprimento.

-Está acompanhada? -Perguntou discretamente.

-Por favor outra bebida.-Disse ao barman fugindo da pergunta.

Pois não queria me expor a um desconhecido, nunca se sabe quem está do seu lado.-Pensava o observando.

Em seguida o barman me entregou o copo, e Vance respondeu.

-É por minha conta.

-Não precisa. Mesmo.-Disse recusando.

-Eu insisto, não é sempre que sentamos ao lado de uma moça bonita.-Disse me olhando.

Fiquei super sem graça com o elogio, mas pelo menos era mais educado do que o anterior.

Vance começou a puxar conversa, me contando sobre o que fazia, o que gostava, até estava começando a gostar de sua companhia, se não fosse pelo fato de ter começado a se aproximar demais.

-Então, agora que estamos nos conhecendo, não tá afim de dar uma voltinha, garanto que não vai se arrepender.-Falou já pegando na minha mão.

Tentei soltá-la mas ele a segurou um pouco mais forte, então aumentei o tom da minha voz um pouco.

-Acho que preciso ir embora, se puder me soltar, agradeço a gentileza, mas realmente preciso ir.-Falei tentando afastá-lo.

-Qual é Rose? A noite está só começando!-Disse sorrindo.

Mas antes que tentasse alguma outra coisa, escutei uma voz intervindo.

-Acho que deveria escutar a moça, não gostamos de problemas no Pub, se é que me entende.-Disse o barman que me serviu educadamente.

Ao perceber que sua tentativa não daria certo, Vance soltou minha mão e disse.

-Agente se vê por aí Rose.-Em seguida se afastou.

Me arrepiei toda ao ouvi-lo falar meu nome daquele jeito, cara maluco, pensava.

-Tudo bem Rose. Desculpa acabei escutando seu nome.-Falou o barman.

-Isso mesmo. Obrigado por me ajudar, não sei o que teria feito para escapar dele.-Disse o agradecendo.

-Outra bebida? Por minha conta!-Disse me oferecendo.

-Obrigada.-Respondi me sentando novamente no banco.

-Me desculpe a indiscrição, mas não é muito nova para estar em um bar sozinha? Pode ser bem perigoso...Aliás meu nome é Naitan.

-Muito prazer Naitan, o meu é Rose. Mas você já sabe.-Disse sorrindo.-E respondendo a sua pergunta, já sou oficialmente de maior e responsável pelos meus atos perante a lei, portanto posso frequentar o Pub sem problema algum.-Disse me impondo. Mas em seguida sorri.

-Já que é assim, seja bem vinda novamente.-Disse com um sorriso encantador.

E adivinha qual foi a primeira coisa que fiz, olhar suas mãos para ver se não tinha marca ou aliança e para minha sorte, nenhuma das opções. Então enquanto ele saiu para preparar uma bebida comecei a analisá-lo.

Gentil, sorriso encantador, bonito, aparentemente não muito mais velho que eu, responsável, ou não trabalharia aqui e o mais importante: Aparentemente descompromissado.

Meu primeiro pretendente estava na minha frente o tempo todo e não percebi.

Após algum tempo observando os caras de lá e nenhum mais me chamou a atenção, decidi voltar para casa, mas antes de sair, fiz questão de agradecer Naitan novamente pela ajuda.

-Bem, preciso ir. Obrigado mais uma vez pela ajuda.

-A sorte é minha, de poder ajudá-la.-Disse simpaticamente.

Então ia me afastando, quando ele me chamou, me fazendo parar.

-Rose,só um momento.

Vi quando ele tirou o avental e colocou um casaco.

-Posso te acompanhar até o carro? Vai que outro cara resolve te parar pelo caminho.-Disse sorrindo.

Então assenti, e ele me acompanhou até o carro.

Assim que paramos em frente a ele disse.

-Mais uma vez obrigado, e espero que não tenha problemas por ter saído.

-Relaxa, sei o que estou fazendo.-Respondeu dando um sorriso maroto.

-Então,já vou indo…

E antes que entrasse no carro ele disse.

-Se não tiver nada para fazer semana que vem, poderia voltar ao Pub, estarei aqui neste mesmo horário.

-Vou pensar na sua oferta!-Falei em seguida entrando no carro.

-Pensa com carinho...-Falou fazendo charme.

-Concerteza pensarei.-Respondi já ligando e afastando o carro.

Dei novamente um tchau a ele e entrei na rua, para voltar para casa.

Finalmente algo bom, Naitan com certeza é meu primeiro pretendente, se encaixa perfeitamente na maioria das minhas condições e se tudo der certo nos encontros, logo realizarei minha proposta final.

Baixar livro