back
Baixar App Lera
icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
O Cigano Maldito

O Cigano Maldito

Jucimara silva

4.9
Comentário(s)
823.4K
Leituras
107
Capítulo

Cresci em uma família machista, cheia de regras estúpidas, a qual me mantia sempre presa dentro de casa. O fruto da minha rebeldia por não aceitar essas regras, só me trouxe punições severas, por parte de meu pai. Que mais tarde se envolveu em um leilão onde saiu com uma grande dívida com um Cigano, o qual me tomou como sua esposa. No dia seguinte depois do casamento ele me disse friamente: " Não terá paz  em nossa cama, enquanto não estiver esperando um filho meu."

Capítulo 1
O Leilão

Na cozinha torcendo para que seu pai saia logo de casa , para poder se encontrar com sua amiga , Yonara corta alguns legumes impaciente ao lado de sua mãe.

Ela olha a todo instante em direção a sala onde seu pai se encontra de pé , com o celular em mãos analisando atentamente alguma coisa , o qual Yonara não faz ideia do que seja , nem deseja saber , já que seu único desejo é que ele saia de casa.

- Ela corta rapidamente o legume , e volta se inclinar para trás , para ver se seu pai saiu. Sua mãe já incomodada com aquela situação , e temendo por ela diz a repreendendo.

_ Presta atenção no que está fazendo Yonara! E esqueça essa ideia , você não vai sair.

Yonara rapidamente pula angustiada e coloca o dedo na boca pedindo para que sua mãe não diga nada , com medo de que seu pai escute. Ela franze a testa com um olhar penoso e diz baixinho.

_ Mãe por favor , deixa! Eu não aguento mais ficar em casa. O pai nunca deixa eu sair , com essa ideia absurda de que mulher tem que ficar em casa , cuidando de afazeres domésticos. Somos seres humanos livres para fazer o que quisermos.

A mãe de Yonara apenas dá de ombros fazendo bico. Ela larga a faca em cima do balcão e então encruza os braços e diz olhando com incredulidade para a mãe.

_ Mãe é sério que a senhora acha isso normal?

Somos praticamente escravas aqui , sem direito a nada aqui em casa , eu nem posso namorar com alguém a não ser que o pai escolha , eu não quero que ele escolha com quem devo me relacionar , não mesmo! Isso é ridículo!

_ Fique quieta Yonara! seu pai vai ouvi-lá e será pior pra você , tenha certeza disso!

E bom...

Ela respira fundo e então abaixa o tom de voz , e diz com uma expressão séria.

_ Normal não é , mas infelizmente seu pai é assim filha. Tenha fé que Deus irá colocar um homem que a trate diferente , que seja bondoso e atencioso com você , fazendo a se sentir especial.

_ Não sendo machista para mim , já seria um bom começo!

Diz Yonara com um semblante aborrecido.

Depois de cortar todos os legumes , Yonara lava as mãos e as seca indo em direção a sala onde seu pai estava a pouco, com a desculpa de que iria o chamar para comer alguma coisa.

Na realidade toda a sua animação para sair , não se trata de apenas ver sua amiga Chirley , mas sim de se encontrar no esquema o qual combinaram. Há alguns meses , em uma lanchonete ela conheceu um rapaz. Nesse dia ela aproveitou para sair as escondidas do pai , que havia viajado para casa do irmão mais velho. Ocorreu tudo bem , bem até demais.

Isso já fazia uns 5 meses. Ela e o rapaz desde então trocam mensagens por telefone , todos os dias. No mês passado ele a pediu em namoro , por mensagem mesmo. Ela hesitou por causa de seu pai.

Ele disse que iria pedir sua mão pessoalmente , que não tinha medo de fazer isso , ela pediu tempo para se acostumar com a ideia , como um gentil e paciente rapaz , ele aceitou.

Agora marcaram de se encontrar e Yonara está certa de que ele aceitará sua proposta arriscada , de manter o namoro as escondidas , pelo menos por enquanto até ela , reunir coragem suficiente para falar com o pai. Ela tem medo de que ele a envergonhe , a agredindo na frente do rapaz , ou o agredindo e não permitindo sua união em hipótese alguma.

Quando chega na sala , vê que está apenas o celular em cima do pequeno centrinho a frente do sofá. Ela dá um pulo vibrando de emoção. E então para confirmar se ele havia realmente saído , ela começa a andar pela casa procurando por ele. Verifica o quarto , a frente do banheiro , área de lazer , e nada , estava mais que confirmado em sua mente. Ele saiu.

Ela abre um largo sorriso, e rapidamente vai para seu quarto , entra arrancando toda a roupa do corpo. Ao entrar debaixo do chuveiro , ela usa tudo que está ao seu alcance , sabonete corporal , íntimo , shampoo e condicionador , hidratacão. Ainda com o chuveiro ligado , ela sai debaixo para pegar , a escova de dente e pasta. Escova os dentes , enquanto termina o banho e sai.

Enrolada de toalha rapidamente , coloca um vestido vermelho brilhante acima dos joelhos com leve decote não muito vulgar , mais o suficiente para fazer qualquer homem imaginar como realmente é sem ele. Seca e escova os cabelos rapidamente , o deixando em um liso bem escorrido e brilhante. Faz uma make leve que realça ainda mais , seus traços bem feitos. Põe um hidratante e um perfume de um cheiro doce e refrescante.

Feito isso ela pega seu mini salto preto , então corre em direção a saída de casa com eles nas mãos. Antes de sair havia mandado para Chirley uma mensagem , dizendo que já estava de saída. Como uma vigia em plena 3:45 da tarde , sua amiga a espera atenta olhando ao redor , para que saíssem de forma discreta. Quando elas se encontram , Chirley dá um sorriso travesso , e gesticula negativamente dizendo.

_ Você sempre corajosa em! Mas.. eu tenho medo de que seu pai descubra amiga , ele vai machucar você.

_ Não vamos demorar , irei voltar antes que sintam a minha falta!

Também não posso , ficar o tempo todo presa dentro de casa , com medo de sair e meu pai se irritar!

_ Se eu não arriscar fazendo isso , nunca sairei daqui Chirley!

Chirley gesticula positivamente e diz acariciando seu ombro.

_ Eu entendo , você ficou presa aqui a tempo demais , e sinceramente não acho você rebelde , como seu pai diz!

Só está em sua razão de querer , viver normalmente sem tantas discriminaçoes!

Agora vamos , para seu encontro!

***

Antes de começar o leilão , o pai de Yonara analisa atentamente os cavalos , analisa também seus preços , e se interessa em um em específico. O qual jura a si mesmo levá-lo para casa.

Alguns minutos depois o leilão é iniciado.

O preço do cavalo o qual tem interesse é anunciado publicamente. O primeiro lance é dado , por um velho carismático , mais logo é interrompido por outro que faz um lance maior. O pai de Yonara se mantém em silêncio , e espera o outros mais fazerem seus lances , até que ele faz um maior lance esperançoso. A contagem é feita , para um valor maior. Ele soa tenso com o suspense , torcendo para que ninguém mais se pronuncie.

Contínua....

Baixar livro