back
Baixar App Lera
icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
Contrato De Casamento: Jogo De Amor Com CEO

Contrato De Casamento: Jogo De Amor Com CEO

Gu Xiaoshi

5.0
Comentário(s)
2.2M
Leituras
401
Capítulo

Eles parecem um casal perfeito, mas a história de Maria e William não é tão doce. O casamento deles começou com um contrato. Ela assinou o acordo de casamento com ele para trocar das despesas médicas da sua mãe. Contudo, as coisas mudaram. Ninguém soube quem iniciou este jogo de amor.

Capítulo 1
Certidão de casamento

"Relaxem, fiquem um pouco mais perto um do outro!" ordenou o fotógrafo, enquanto segurava sua câmera na mão.

Em seguida, Mary Lu se inclinou na direção do homem, sentindo-se um pouco desconfortável.

"Sorriso", disse o fotógrafo com a testa franzida. Então ele acenou com os braços exasperado, insatisfeito com todas as fotos que havia tirado. "A foto da certidão de casamento deve ser feita com alegria e doçura em seus rostos. Então relaxem!"

Bem, esse recorde foi tudo menos... Ela nem sabia como o homem ao lado dela parecia na época, ele provavelmente tinha uma expressão de indiferença absoluta.

Depois de um longo tempo de trabalho duro, eles finalmente tiraram uma foto conveniente e os três suspiraram de alívio.

Quando estavam saindo, a garota podia ouvir o fotógrafo reclamando em um sussurro, "Eu nunca vi um casal tão estranho, eles são recém-casados, mas agem como se tivessem acabado de se conhecer!"

Mary Lu apenas suspirou, balançando a cabeça. Ela realmente queria agir com naturalidade, mas havia realmente algo natural na situação em que ela acabou de entrar?

Esse casamento era algo para se orgulhar? A única razão pela qual ela estava se casando era por causa do acordo!

Descobriu-se que se casar era tão simples quanto beber água.

Começou a garoar quando eles saíram, infelizmente nenhum dos dois tinha guarda-chuva.

"Aonde você está indo?", perguntou William Lan, que na época já era marido de Mary Lu.

"Acho que vou pra casa primeiro", respondeu a mulher olhando para o céu cinza. E logo, gotas de chuva escorreram por suas bochechas. "Posso voltar sozinha", respondeu ela.

"E a sua mãe? Não deveríamos ir vê-la?"

A garota balançou a cabeça lentamente. "Ele ainda está em coma, é melhor você ir trabalhar", disse ela quase amargamente, mas ele realmente não se importou.

"Ok, vou voltar para a empresa." E sem outra palavra, o homem se dirigiu para o carro chique do outro lado da rua. Embora a jovem não soubesse quanto custava, ela deduzia que era extremamente caro pelos olhares invejosos das pessoas.

E sem olhar para trás, o homem entrou no carro.

No entanto, a mulher ainda estava um pouco atordoada ao ver aquela figura partir, então ela se lembrou do primeiro dia em que o conheceu.

Naquele dia, ela havia sido chamada ao escritório do CEO, ela era apenas a vice-diretora do Departamento de Relações Públicas. Por que o CEO de repente quis vê-la? Ela tinha feito algo errado?

Tão cheia de ansiedade, ela entrou em seu escritório, foi a primeira vez que ela viu seu chefe, William Lan, de tão perto. Olhando para ele assim, ele parecia um homem perfeito, incrivelmente alto com uma mandíbula bem definida. Ele estava apertando os lábios finos e havia algo em seus olhos que o fazia parecer extremamente atraente. Depois de olhar para eles por um longo tempo, ela se sentiu como se estivesse caindo no abismo. O principal executivo vestia um terno preto que destacava sua figura bem definida, mas ela achou que o homem ficaria mais apropriado em azul.

"Você é Mary Lu? A vice-diretora do Departamento de Relações Públicas?", William Lan perguntou calmamente, segurando um documento na mão, então se levantou e caminhou ao lado dela. "Dizem que há dois anos sua mãe foi diagnosticada com câncer e que seu pai até deixou vocês duas. Como estão indo as coisas agora?"

O que ele acabou de dizer? O queixo de Mary caiu quando ela olhou para o homem à sua frente.

'Como um CEO pode estar tão preocupado com uma mera funcionária? Ele me investigou?', a mulher pensou intrigada.

"Obrigada por sua preocupação, senhor. Está tudo bem", respondeu ela calmamente, tentando não ser afetada por suas palavras.

"Tem certeza?", William insistiu, apoiando-se na mesa. "E as taxas de tratamento que você deve ao hospital? Mesmo com seus empregos de meio período, não acho que seja o suficiente para pagar por tudo. Pelo menos não antes de alguns anos."

A jovem piscou surpresa, cambaleando para trás. "Como você sabe de tudo isso?", ela perguntou exigentemente. "Você me investigou? O que diabos há de errado com você?", ela continuou.

Mas seu chefe não foi afetado por essas perguntas duras, enquanto fixava seus olhos penetrantes nela. "Sim, fiz uma investigação", admitiu abertamente. "Eu quero fazer um acordo com você", ele finalmente posou.

"Um acordo? O quê?", a garota perguntou.

"Case-se comigo e eu pagarei todas as despesas médicas de sua mãe." William disse isso sem rodeios.

"Obrigada, mas não estou interessada." Diante de tal proposta, Mary se virou e saiu determinada.

"Tem certeza?", o homem perguntou. A menina estava petrificada, havia algo naquela pergunta, algo que a fez duvidar.

Seu casamento sempre foi algo que preocupou muito sua mãe.

Então Mary estremeceu ao pensar nela, que estava convalescendo em uma cama de hospital. Além disso, o médico disse que sua mãe só tinha mais alguns meses de vida, então, se ela fingisse estar casada, talvez pudesse realizar seu último desejo.

As unhas da mulher cravaram com força em sua palma. "O que tenho que fazer?", Mary perguntou.

"Eu tenho o acordo bem aqui, você pode lê-lo." Quando ela se virou, o homem entregou-lhe alguns papéis. "Tudo está escrito com clareza, você não precisa fazer muito. Você será minha esposa nominal, e tudo que você tem a fazer é coordenar comigo e minha vida."

Mary olhou para o contrato com incerteza e, vendo que ela ainda tinha dúvidas, ele acenou com a mão. "Você pode pensar sobre isso e me dar sua resposta amanhã, se você não tem mais nada a dizer, pode se retirar."

"Espere. Por que você quer fazer isso? O que você ganha fazendo isso?", perguntou a outra.

No entanto, ele simplesmente deu de ombros. "Você não pode saber, tudo o que você precisa fazer é considerar o que é melhor para você."

'Aquele idiota! Ele pensa que tem o direito de governar o mundo!', ela pensou irritada.

Sem dizer mais nada, ela girou nos calcanhares e saiu. Quando Mary voltou para seu escritório, abriu o acordo. Na verdade, era curto e conciso.

O casamento duraria apenas um ano e, embora fossem obrigados a viver juntos, as relações sexuais eram proibidas. Em troca, o homem arcaria com todas as despesas de vida e tratamento de sua mãe. Ele também a compensaria com um salário mensal de cem mil dólares. O casamento seria público e a mulher seria convidada a cooperar com ele em eventos importantes.

Olhando aquele documento, Mary ficou completamente pasma, com tanto dinheiro, todos os problemas de sua vida simplesmente desapareceriam, sua mãe não só receberia um tratamento melhor, como também não teria que trabalhar até tarde da noite. Isso parecia inofensivo, mas era realmente tão simples? Enquanto ela estava hesitando, seu telefone tocou, era do hospital. Então a garota cerrou os dentes e respondeu: "Alô?"

"A Mary está falando? Sua mãe está em estado grave, ela foi enviada para o pronto-socorro, por favor, esteja preparada pelas consequências."

"O quê?", ela exclamou com um sobressalto intenso. "Já vou para lá, doutor Cao, por favor, faça o que puder para salvar minha mãe."

"Faremos o que for possível", respondeu o médico.

E ela imediatamente correu para o hospital, felizmente ao chegar, os médicos a informaram que sua mãe já estava estável e seus ombros se alargaram de alívio. Olhando para sua mãe inconsciente através do vidro, ela sentiu o último pedaço de calor que restava.

"Senhorita Mary", chamou o médico ao lado dela, e ela se virou.

"Doutor Cao, nunca poderei agradecer pelo seu esforço."

"Não há nada a agradecer, é o nosso trabalho." O médico respondeu e deu-lhe um sorriso. "Mas há um problema com os custos médicos de sua mãe, não quero me alongar sobre isso agora, mas..."

"Não se preocupe, doutor Cao, entendi. Vou pagar o resto em três dias", respondeu ela com grande confiança, já tomando a decisão do fundo do coração.

Pouco depois de deixar o hospital, ela pegou o telefone e discou o número de William. "Vou assinar o acordo, prometo, mas primeiro preciso do dinheiro..." Houve uma breve pausa antes de assentir com firmeza. "Obrigada."

Com essas palavras, Mary vendeu sua alma ao diabo.

A garota parou de andar e, balançando a cabeça, se obrigou a não pensar mais no assunto. Mas assim que olhou para cima, pôde ver que William estava ligando o carro, até viu que o homem tinha ficado de olho em sua direção. Embora tivesse apenas trinta anos, o homem parecia realmente radiante. Na verdade, ele tinha ativos no valor de cerca de cem milhões de dólares, além de ser extremamente bonito. Por que um solteiro tão cobiçado pediria a ela para arranjar um casamento falso com ele?

Vendo como o carro estava indo, ela estremeceu, balançando a cabeça. Não adiantava ficar pensando nos detalhes, ela tinha que cuidar do seu próprio negócio.

O hospital era o último lugar para onde ela queria ir, mas ela havia voltado para lá esperando que o estado de sua mãe tivesse progredido favoravelmente. Ela esperava que a mãe acordasse e visse que sua filha havia realizado seu último desejo.

Baixar livro