icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
Capítulo 3
Garota esperta
Palavras: 1812    |    Lançado em: 12/11/2021

Na manhã seguinte eu acordei cedo, coloquei uma de minhas melhores roupas, penteei meus cabelos deixando-os mais volumosos e fiz uma maquiagem leve. Iria para faculdade explicar aos meus amigos que eu precisaria abandonar os estudos e depois sairia à procura de um emprego. E eu não estava em condições de escolher muito.

Quando cheguei fui diretamente para sala. Eu estava bem adiantada, então poderia ver todos antes de começar a aula e me despedir. Logo chegou Kim. Abraçamo-nos e ele disse:

- Recuperada da balada?

- Sempre. – eu disse piscando.

- Por que não respondeu minhas mensagens ontem? – ele perguntou.

- Kim, se você soubesse tudo que aconteceu comigo... – falei sem conseguir esconder a tristeza.

- Então começa, querida.

- Nem sei por onde... Quer que eu comece pela parte que vou deixar a faculdade ou pela que vou ter que conseguir um emprego para sustentar a família?

Ele arregalou os olhos grandes e bem marcados com delineador preto.

- Como assim?

- Isso mesmo amigo...

Sentei sobre a mesa e ele fez o mesmo.

- Seu pai de novo?

- Meu pai... Não de novo... Agora é o fim mesmo. Ele perdeu tudo... Muito mais do que tínhamos. Inclusive... A casa.

- Mas... Como é possível?

- Porque é a minha vida, amigo. Nela tudo é possível e você sabe disso.

- Kat, seu pai colocou a casa que vocês moram em cheque?

- Sim... – falei um pouco sem jeito, mas sincera, pois ele era meu amigo da vida toda. Éramos confidentes, inseparáveis, unha e carne.

- Eu... Nem sei o que dizer.

- Não há o que dizer. – falei tristemente.

- Não há nada que você possa fazer para ficar?

- Não... Minha mãe já decidiu que será assim.

- E aposto que Laura Lee não pensa em chamar Kevin para as responsabilidades da casa, não é mesmo?

- Claro que não. E eu nem consigo culpá-lo, pois Kevin é um inconsequente. Seria somente para ele culpar ainda mais nosso pai.

- Mas... Seu pai é o culpado, Kat.

- Kim, você sabe que eu não gosto de culpá-lo. Meu pai é tudo para mim.

- Como Adolfo foi tão inconsequente? Não pensou em vocês?

- Kim, isso é um vício. Ele deve ter pensado em nós, mas foi mais forte que ele.

- Acho que Kevin puxou ao seu pai. E você sabe que adoro seu pai e não gosto nenhum pouco do seu irmão. E Laura, mesmo cobrando você demais por tudo, é uma mulher batalhadora. Tenho pena dela às vezes.

- Eu também. Por isso tento entender o mau humor dela, as mágoas, a vida triste que ela insiste em levar... E nem sempre a culpo pela forma como ela trata meu pai.

Logo chegou Diana. Cumprimentou-nos e sentou. Eu não contei todos os detalhes do que estava acontecendo para ela, mas anunciei que deixaria as aulas e procuraria um trabalho. Diana era discreta, não perguntou muito, mas alertou:

- Você está no terceiro semestre. Dificilmente encontrará um emprego na área da administração. Teria que estar pelo menos no sexto.

- Eu sei...

- Por que não tenta com o reitor?

- Como assim?

- Poderia explicar para ele a situação... Talvez ele se compadeça e lhe dê uma ajuda. Já ouvi histórias dele arranjar emprego dentro da faculdade para alguns alunos que precisavam.

- Eu... Nunca pensei nisto. – falei esperançosa. – Mas vou tentar, hoje mesmo.

Léo chegou em seguida. Já iria começar a aula. Ele me deu um beijo breve nos lábios e disse:

- O que houve? Está tudo bem?

- Eu preciso ir, Léo. Podemos nos falar depois?

- Sim... – disse ele confuso. – Mas se der, Kim e Diana lhe atualizam do ocorrido.

- Nos encontramos no clube secreto? – ele disse piscando.

- No fim da tarde. – confirmei.

O clube secreto era uma sala que encontramos dentro da faculdade onde eram guardados materiais que não usavam, sendo uma espécie de almoxarifado. Descobrimos que ninguém ia até lá então meus amigos e eu criamos uma sociedade secreta que se chamava: “queda à monarquia”. Era um lugar que discutíamos o quanto éramos contra o sistema do nosso país, tendo à frente a Rainha Anne Marie Chevalier, que não se preocupava com as classes baixas. Focava em deixar os ricos cada vez mais ricos e tirava tudo que podia do proletariado. Por sorte meus amigos pensavam como eu.

Léo era meu quase namorado. Eu ainda não tinha aceitado, embora ela tivesse me feito o pedido várias vezes. Eu gostava dele, mas achava que era mais como amigo do que como namorado. Então vez ou outra saíamos juntos e trocávamos alguns beijos calientes. Ele era bonito, inteligente e pertencia à classe C. A família dele tinha boas condições financeiras e muitas propriedades. Ele havia ido para nossa faculdade por opção, podendo estar na de classe B, por exemplo. Ele apoiava as causas sociais e se importava com as pessoas. Se eu não arranjasse alguém por quem me apaixonasse, eu pensava em casar com ele no futuro. Mas antes daria uma chance a mim mesma. Eu nunca havia me apaixonado antes, embora tivesse saído com alguns garotos e aproveitasse bastante a minha vida.

Quando cheguei à sala do reitor, havia algumas pessoas na minha frente esperando para falar com ele. Eu decidi aguardar. Poderia sair e procurar emprego, mas se ele pudesse me ajudar, evitaria minha caminhada de estabelecimento em estabelecimento e a possibilidade de gastar meu salto mais caro.

Depois de uma hora esperando, a secretária mandou que eu entrasse. Ele estava sentado confortavelmente em sua cadeira, pouco interessado no que eu diria:

- Fale, senhorita Lee. – ele disse sem olhar para mim, focado nos papéis a sua frente.

O reitor Justus era um homem novo para o cargo. Não devia ter mais de 30 anos. Era muito estimado por todos e tinha fama de ser contra a monarquia, embora ninguém tivesse certeza absoluta. Eu o admirava pela garra dele em estar ali naquele cargo tão desejado.

- Reitor, eu gostaria de ver a possibilidade de conseguir um emprego dentro da universidade. – falei indo direto ao ponto.

Ele tirou os olhos dos papéis e finalmente me olhou. Ficou um tempo me contemplando, depois disse:

- Direta, não?

- Sim... De que adiantaria rodeios?

- Sabe algo sobre os empregos oferecidos aqui?

- Não. – falei sinceramente. – Mas sei que existem.

- Além do salário fixo mensal, há uma ajuda de custo para as aulas, podendo chegar a um desconto de quase 100% do valor do curso.

Respirei aliviada. Eu realmente não sabia daquilo. Era a oportunidade da minha vida.

- Eu... Fico feliz em saber. Sou uma garota dedicada. Gosto de estudar. Acho que dou conta de trabalhar e estudar e fazer bem as duas coisas. Será que poderia me dar um oportunidade? – falei sorrindo gentilmente.

- Por que quer um trabalho, senhorita Lee? Problemas financeiros?

- Sim. – confessei. – Se não conseguir o trabalho, vou ter que deixar os estudos.

- Hum... – ele disse levantando do lugar dele e sentando sobre a mesa, ficando bem na minha frente.

Fiquei um pouco incomodada e intimada com a presença dele tão próxima a mim. Mas fingi que estava tudo bem.

- A senhorita não deve saber que há certos requisitos para o emprego.

- Não... Mas gostaria de saber.

- Quer mesmo saber? – ele perguntou olhando descaradamente para meu corpo, de cima a baixo.

- Sim... – falei para ver até onde ele iria.

O reitor Justus pegou a mão e colocou sobre a minha perna. Eu não falei nada, continuei olhando-o. Ele foi subindo, virando para dentro da minha coxa. Quando quase chegou ao seu objetivo, eu fechei bruscamente minhas pernas, assustando-o. Ele tirou a mão, confuso.

- Este seria o requisito? – perguntei ironicamente.

- Pode ser... Depende de você.

- Então quer dizer que por merecimento não há emprego.

- Não no seu caso... Não há merecimento.

- Não gostaria de ver minhas notas? Poderia abrir o meu arquivo em segundos.

- Realmente não me interessa isso...

- Ok... Eu já não quero mais o emprego.

Ele riu:

- Imaginei. Pode sair. – ele disse voltando para sua cadeira.

Eu continuei:

- Mas eu quero um documento da universidade, como uma carta de recomendação, que fale sobre minhas excelentes notas e meu bom desempenho, dizendo também que estarão sempre esperando pelo meu retorno.

Ele riu alto, ironicamente:

- Você sonhou? Este tipo de documento não existe.

- Acho que poderia existir para mim, já que realmente sou uma excelente aluna e não quero dormir com o senhor para conseguir um emprego aqui dentro.

- Estou pensando em fazer um documento sim... Dizendo que você é uma péssima aluna.

- Acho que meus colegas do jornalismo adorariam saber o que é necessário aqui para conseguir um emprego.

- Está me ameaçando, senhorita Lee?

- Claro que não, reitor Justus. Só pensei em como seria se todos soubessem como funciona tudo aqui dentro. Confesso que eu fiquei decepcionada...

- Eu também... Você poderia ter o emprego, como eu disse.

- Mas eu não quero dormir com o senhor. – falei ironicamente.

- Pode ir, senhorita Lee. A conversa está encerrada.

- Eu... Ainda preciso do documento.

- Não há documento.

- Bem, então vou ter que divulgar tudo que aconteceu nesta sala nestes poucos minutos que estive aqui.

Ele levantou os olhos e pareceu não dar muita importância:

- Ninguém acreditaria em você.

Eu abri minha bolsa e retirei meu celular e disse:

- Em mim não, mas no áudio que eu gravei com meu celular, sim.

Ele levantou da mesa nervosa, passando a mão pela cabeça.

- Você... Gravou? Por que fez isso?

- Suas histórias já são conhecidas por aí, reitor. – eu menti.

- E... Como vou saber que você não passará adiante.

- Me dê o documento e eu mostro o áudio apagado.

Ele interfonou para a secretária e solicitou um papel conforme eu solicitei. Várias vezes ele teve que repetir, pois realmente era um documento nunca emitido pela universidade. Em alguns minutos a secretária entrou com meu documento em mãos, que ele assinou e me entregou. Peguei meu celular, mostrei para ele a última inscrição escrita “áudio” no meu telefone. Deletei e parti sem olhar para trás. Eu estava tão nervosa que parecia que minhas pernas não suportariam caminhar, de tanto que tremiam. Não havia áudio nenhum. Eu havia mentido... E ele tinha acreditado. Nem sei o que se passou na minha cabeça naquele momento. Mas fiquei orgulhosa de mim mesma. Ele havia me assediado e no fim eu que havia saído vitoriosa. Senti náusea ao pensar nele me tocando. Olhei para o papel e o abracei. Aquilo me abria algumas portas a mais.

Reclame seu bônus no App

Abrir
1 Capítulo 1 Uma conversa séria2 Capítulo 2 Sobre Kevin3 Capítulo 3 Garota esperta4 Capítulo 4 Queda à monarquia5 Capítulo 5 Há vagas6 Capítulo 6 Uma carta na manga7 Capítulo 7 Meu namorado8 Capítulo 8 Conversa de fã9 Capítulo 9 Eu tenho hipoglicemia10 Capítulo 10 Ninguém morre disso11 Capítulo 11 Eu sei muito sobre você12 Capítulo 12 Me chame de Deck13 Capítulo 13 Você sempre será a minha princesa14 Capítulo 14 Eu lhe digo verdades15 Capítulo 15 Vossa Alteza, Príncipe Magnus16 Capítulo 16 Você não é uma mulher indefesa17 Capítulo 17 Eu não sou uma candidata à princesa18 Capítulo 18 Um plano arriscado19 Capítulo 19 Prometa que vai tomar cuidado20 Capítulo 20 Lady Vitória Grimaldo21 Capítulo 21 Eu não sou doente22 Capítulo 22 Rainha Anne Marie Chevalier23 Capítulo 23 Você não pode falar a verdade24 Capítulo 24 Família25 Capítulo 25 Ao seu brilhante futuro fora do castelo26 Capítulo 26 Ainda é sábado27 Capítulo 27 Dom28 Capítulo 28 Maquiavélica29 Capítulo 29 O médico30 Capítulo 30 Intervenção real31 Capítulo 31 Leon vale qualquer sacrifício32 Capítulo 32 Transmissão real33 Capítulo 33 Felizes para sempre poderia ser um livro clichê34 Capítulo 34 Dê graças a sua sorte35 Capítulo 35 Lana Davis36 Capítulo 36 Eu não matei Joana Pallucci37 Capítulo 37 Quem é você, Dereck Chevalier 38 Capítulo 38 Eu sou virgem39 Capítulo 39 A bofetada40 Capítulo 40 Eu aceito41 Capítulo 41 Não quero regalias42 Capítulo 42 Uma conversa sobre amor43 Capítulo 43 Eu dou as ordens por aqui44 Capítulo 44 Uma noite de terror45 Capítulo 45 Estou voltando ao castelo46 Capítulo 46 Há algo que possamos fazer por você 47 Capítulo 47 O que realmente está acontecendo aqui 48 Capítulo 48 Um futuro promissor em Noriah49 Capítulo 49 Sorvete de morango50 Capítulo 50 Eu não preciso de nada51 Capítulo 51 Por que Magnus seria um bom rei 52 Capítulo 52 Gata borralheira de novo53 Capítulo 53 O príncipe tem tatuagem54 Capítulo 54 Uma garota azarada55 Capítulo 55 Eu não mereço você56 Capítulo 56 King57 Capítulo 57 Domênico e Katrina58 Capítulo 58 Você tentou me matar59 Capítulo 59 Magnus e Katrina60 Capítulo 60 A Rainha Anne Marie Chevalier61 Capítulo 61 O que você realmente quer 62 Capítulo 62 Não pare, Magnus!63 Capítulo 63 Eu acho que gosto dele!64 Capítulo 64 O tempo que me perde65 Capítulo 65 Você veio!66 Capítulo 66 Eu vou me aproveitar de você agora67 Capítulo 67 O dia depois68 Capítulo 68 Praia69 Capítulo 69 O que acontece no quarto ao lado70 Capítulo 70 A batalha71 Capítulo 71 Black está ferido72 Capítulo 72 Dom e Black73 Capítulo 73 Magnus e Domênico74 Capítulo 74 Adolfo Lee75 Capítulo 75 Onde está Kevin 76 Capítulo 76 Preciso de dinheiro, Alteza.77 Capítulo 77 Eva78 Capítulo 78 Um presente para Magnus79 Capítulo 79 Black para sempre80 Capítulo 80 Você não presta, Dereck Chevalier81 Capítulo 81 Chegou sua fada madrinha82 Capítulo 82 O baile de máscaras83 Capítulo 83 Eu preciso comer84 Capítulo 84 Você mexeu com a pessoa errada85 Capítulo 85 Eu vou matar Katrina Lee86 Capítulo 86 Katrina Lee está morta87 Capítulo 87 Simplesmente acontece88 Capítulo 88 Vingança89 Capítulo 89 Kevin voltou90 Capítulo 90 Segredo revelado91 Capítulo 91 Nada poderia ser pior que simular a própria morte92 Capítulo 92 A vida não é justa para pessoas como nós93 Capítulo 93 Quase fomos uma história de amor94 Capítulo 94 Eu quero o meu príncipe95 Capítulo 95 Magnus e Black96 Capítulo 96 Vitória e Katrina: o acerto de contas97 Capítulo 97 O casamento real98 Capítulo 98 Lua de Mel I99 Capítulo 99 Lua de Mel II100 Capítulo 100 Ela já pode dar ordens