back
Baixar App Lera
icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
LEONEL, REENCARNAÇÃO

LEONEL, REENCARNAÇÃO

lucystar

4.9
Comentário(s)
2.1K
Leituras
12
Capítulo

Espero que quem ler essa continuação do romance LEO tenha a mente aberta. A vida não é o fim. Espero que você também acredite nisso. Os fatos que serão relatados aqui foram escritos por alguém que crê nessa verdade. LEONEL, REENCARNAÇÃO conta a trajetória em busca da felicidade de Leo Torres. Espero que entendam e se divirtam.

Capítulo 1
PERDAS

CAPÍTULO I – PERDAS

SERRA NEGRA

Jorge sentou-se junto de Cristina e envolveu-a num abraço, fazendo-a inclinar a cabeça sobre seu ombro. Há uma semana, Gilda, sua mãe, havia sido internada com problemas cardíacos e não estava nada bem. Cristina havia perdido a cunhada Laís, há dois meses e não podia se imaginar perdendo sua mãe. Seria muito sofrimento para um ano só.

- Você não quer ir deitar um pouco? – Jorge sugeriu. – Está a mais de doze horas acordada.

- Queria esperar o telefonema do Bruno.

- Eu fico aqui. Qualquer coisa eu te acordo. O Leandro está acordado também.

Ela resolveu seguir o conselho dele. Ele a beijou na testa e Cristina subiu, mas antes de ir para seu quarto, passou pelo quarto do sobrinho.

A porta entreaberta lhe permitiu ver o rapaz deitado de bruços na cama, com a cabeça escondida nas mãos cruzadas. Parecia muito deprimido, afinal havia perdido a mãe há pouco tempo e agora a avó se internava por problemas de saúde também.

Cristina aproximou-se e sentou na cama, passando a mão sobre sua cabeça. Leonel virou-se e olhou para ela. Sem dizer nada, levantou e a abraçou.

- Pode continuar deitado. Já conseguiu dormir? Você já fez demais por hoje, querido...

- Ela não vai embora também, não é, tia? Minha vó não pode ir também. Já foi duro demais perder minha mãe... se ela for também... O que é que vai ser da gente?

Cristina não respondeu. Apenas deixou as lágrimas correrem pelo rosto.

- Paciência, meu amor...

- Que foi que a gente fez pra merecer isso, tia? A vovó parecia ser o apoio de tudo nessa casa. Ajudou tanto a gente a suportar a morte da mamãe... Por que eu estou falando tudo no passado? Ela ainda está viva...

O telefone tocou. Leonel assustou-se e olhou para a porta.

- Não...!

- Calma, Leonel... ela falou, abraçando-o forte.

- Não, Gilda, não! Não! – ele gritou, abraçando a tia como se não houvesse mais nada em que se apegar.

Gilda faleceu naquela noite.

Dois dias depois, Bruno e Cristina, seus filhos, encarregavam-se de reunir todas as suas roupas para serem doadas a instituições de caridade, como ela mesma havia pedido, em testamento.

A tarefa era bastante difícil. Bruno apanhou um dos vestidos mais bonitos da mãe e ficou olhando para ele. Sentou-se na cama e seus olhos encheram-se de água. Cristina sentou-se ao seu lado e segurou sua mão.

- Diz pra mim que eu estou sendo egoísta, Cris, ele falou. – Fala que ela está melhor agora. Despeja em cima de mim todos aqueles conselhos otimistas que você sempre dá. Me diz que eu estou sofrendo à toa, mas me ajuda a entender o que está acontecendo, minha irmã! Eu perdi duas pessoas que eu amo em menos de dois meses! Me convence de que isso é normal!

- Eu não sei o que te dizer agora, Bruno. Estou sofrendo tanto quanto você, mas eu sei que todos nós devemos passar por isso, juntos, e ficarmos unidos.

- Sem as duas aqui... eu estou me sentindo... vazio...

- Elas estão aqui junto da gente, mano, dentro da gente.

Leandro, o filho mais novo de Bruno, apareceu na porta e avisou:

- Pai, telefone pra você.

Bruno levantou-se e enxugou o rosto. Desceu. Leandro olhou indiferente para todas as roupas da avó e perguntou:

- Empresta seu carro, tia Cris?

- Pra quê?

- Vou aproveitar e dar uma chegada na casa da Helena. Ela ainda não sabe que a minha vó morreu.

- Tudo bem. A chave está no chaveiro na cozinha, como sempre, mas não demore muito. Vou levar as roupas da vovó pro asilo no meu carro. Vou precisar dele.

- Ok. Obrigado, tchau, tia.

- Leandro!

- Hum?

- Por que você não foi ao enterro da vovó?

- Você sabe que eu não curto essas coisas, tia. Morreu, morreu. Acabou!

- Com a sua mãe você também pensou assim?

Ele ficou olhando para ela por um tempo e respondeu:

- O queridinho da mamãe era o Leonel. Ele é que tinha obrigação de chorar por ela.

LEONEL (REENCARNAÇÃO) – CAPÍTULO 1

“PERDAS”

Baixar livro