icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
Capítulo 4
O que eu fiz !
Palavras: 2418    |    Lançado em: 01/05/2021

Darla observou aquele homem magnífico se despindo diante dela, sem conseguir desviar o olhar.

Seus olhos estavam fixos nela, mesmo quando desafivelava o cinto, olhando-a fixamente como se com medo que ela desaparecesse.

Ela desceu o olhar pelo corpo muito bem definido a sua frente.

Ele devia passar várias horas se exercitando para manter aquele corpo atlético e másculo, ela pensou completamente enfeitiçada.

Precisou apoiar-se nos cotovelos para conseguir observar tudo a sua frente.

Ele era alto… Muito alto, pensou ofegante.

E ao olhar a protuberância que havia abaixo do abdômen de tanquinho Darla ficou com medo.

Ele se aproximou, pousando seu corpo sobre o dela lentamente para distrai-la.

Ele sentia sua insegurança e temia que ela mudasse de ideia.

Não estava certo de conseguir refrear seu desejo por ela naquele instante.

Ele não estava acostumado com isso.

Ela o observara com o se nunca tivesse visto um homem nu.

Isso deveria ter sido o suficiente para afastá-lo e esfriar seu desejo por ela, mas ao contrário disso, segurar os cabelos del, ele ansiava pelo momento em seus corpos estivessem unidos e ele a penetrasse bem fundo.

Beijou seu pescoço delicado, distribuindo pequenos beijos até chegar em seus lábios.

Parou por um segundo para fitá-la nos olhos.

Darla passou a língua pelos lábios ressecados e ansiosos. Aquilo foi o fim.

Ele não conseguiu mais se conter e invadiu a boca dela com urgência.

O beijo era urgente, ardente, suas línguas se entrelaçando como se disputassem por controle.

Darla se mexia embaixo do dele, ansiosa. Suas mãos deslizavam por seus ombros, suas costas nuas antes de alcançarem seu abdômen definido, alcançando perigosamente aquela área que vibrava por ela.

O que aquela mulher fazia com ele… pensou ele enquanto descia uma trilha de beijos por seu pescoço, sua clavícula...

Desceu a fina alça do vestido, expondo-lhe o pico dos seios fartos que imploravam por sua atenção.

Darla sentiu o zíper na lateral do vestido ceder a medida que ele o deslizava e como num passe de mágica, ele se desfez de suas roupas com mãos hábeis, deixando-a apenas com o sutiã sem alças e a fina calcinha de renda preta.

Ele se ajoelhou para olhar para ela, arfando, enquanto Darla se contorcia de desejo.

As maçãs do rosto dela estavam coradas, os olhos mal se abriam de tanto desejo e seus lábios estavam inchados por seus beijos.

André sorriu satisfeito.

Aquela era, sem dúvida, a arte mais perfeita que gostaria de manter em sua memória depois daquele dia.

Mas ficaria ainda mais satisfeito assim que a visse sem nada.

Com isso em mente ele terminou de despi-la, sentindo sua timidez enquanto se livrava de suas peças íntimas.

Ela parecia tão ansiosa quanto ele, seus quadris se erguendo, se oferecendo para ele enquanto André insinuava seu dedo em suas dobras, encontrando-a completamente pronta para ele.

A maneira como ela se arqueava e inclinava os quadris em sua direção enquanto sua umidade se espalhava entre seus dedos, fazia com que sua excitação chegasse a um nível insuportável.

André grunhiu, perdendo completamente o controle enquanto terminava de se despir e se encaixava em sua entrada lubrificada e quente.

Suas mãos deslizaram por seus seios, provocando os mamilos túrgidos e desceram por seu ventre antes de se acomodarem em seus quadris.

No instante seguinte ele a penetrava em uma única estocada, sentindo sua resistência e a tensão em cada parte de seu corpo enquanto ela permanecia imóvel.

O que eu fiz?!

André estacou por um momento, fitando a mulher a sua frente, diretamente nos olhos.

Dava para ver que ela estava desconfortável, confirmando suas suspeitas.

Ela era virgem!

Quantos anos ela tinha? Não acreditava que ainda existiam mulheres virgens com mais de 20 anos.

De repente ele sentiu como se tomasse algo que não lhe pertencia...

Foda-se! ele pensou enquanto respirava com dificuldade, esperando alguns segundos a mais para que ela se acostumasse com seu tamanho antes de começar a se mover dentro dela.

Era tão apertada que poderia fazê-lo explodir a qualquer instante.

Era tarde demais para voltar atrás...

Não conteve um gemido que saiu do fundo de sua garganta enquanto se retirava quase por inteiro, antes de deslizar novamente em seu ninho quente e úmido, fazendo-a arfar e erguer os quadris em sua direção enquanto o prazer substituía a dor.

Uma...Duas...Várias vezes, enquanto travava o maxilar em busca de manter-se no controle e não terminar com tudo aquilo tão rápido.

Ele se negava a alcançar seu próprio prazer antes de sentí-la se desfazendo ao seu redor, enxarcando-o com seu líquido e gritando seu nome várias e várias vezes.

Aquela era sua primeira vez, e ele queria torná-la inesquecível...

Só não sabia exatamente o porquê.

Darla ficou em estado de choque por alguns segundos.

Uma dor lancinante a atravessou quando ele invadiu seu corpo em um único movimento.

Já sabia que seria desconfortável na primeira vez, mas acabara sendo mais doloroso do que imaginara.

Mordeu os lábios, insegura, enquanto encarava André nos olhos esperando que ele não tivesse notado.

Ele parecia chocado.

Podia ver um milhão de perguntas passando por seu olhos naquele momento, deixando claro que sentira sua barreira sendo rompida.

Mas não queria responder a nenhuma delas, então apenas se moveu sob seu corpo másculo, em um pedido silencioso para que ele continuasse.

Ela podia ver confusão, fúria e insegurança em seus olhos antes que o desejo o dominasse novamente e ele se movimentasse contra ela.

Quando ele se retirou quase que por completo, ela pensou, por um momento, que ele se afastaria.

E perdeu o fôlego quando ele a penetrou novamente, fazendo-a arquear o corpo em sua direção, tomada por prazer.

Seu maxilar estava tenso enquanto ele se movimentava dentro dela lentamente e Darla semicerrou os olhos de prazer, enquanto pronunciava seu nome baixinho, quase sem fôlego.

Já não havia vestígios da dor e tudo o que sentia naquele momento era um prazer crescente como ela nunca sentira em toda a sua vida...

Observar a bela mulher se desfazendo em seus braços foi mais que suficiente para fazer com que André perdesse o pouco controle que ainda lhe restava.

Seus movimentos se tornaram mais profundos e rápidos, enquanto suas respirações se tornavam mais ofegantes a medida que se aproximavam no ápice do prazer.

Ele sabia que ela estava perto antes mesmo que gritasse seu nome repetidas vezes.

_ André !_ Darla gritou, arqueado as costas quando a primeira onda veio, permitindo que ele fosse ainda mais fundo em seu interior.

Suas unhas cravaram em seus ombros, rasgando-lhe a pele enquanto ele a fazia viajar nas sensações maravilhosas que tomavam conta de seu corpo, antes que o prazer o tomasse por completo e ele jorrasse dentro dela em uma última investida.

andré desabou sobre ela, completamente exausto,e Darla emaranhou os dedos em seus cabelos, mantendo-o grudado em seu peito enquanto seu coração batia feito louco.

Ela sorriu satisfeita, enquanto ainda o sentia pulsar dentro dela.

Por uma noite, André a fizera sentir o que seu noivo jamais fizera.

Ele era capaz de excitá-la com um toque.

Seus beijos faziam com que perdesse completamente os sentidos.

E o sexo...

Ela guardaria aquela experiência por toda a sua vida, porque agora ela sabia que era capaz de sentir desejo.

André despertara nela algo que seu noivo nunca conseguira e de repente a culpa que a cosumia por todo aquele tempo começou a diminuir.

A madrugada passou despercebida e André queria aproveitar cada minuto em que a tivesse em seus braços.

Não se lembrava da última vez em que uma mulher mexera tanto com ele a ponto de fazê-lo passar toda uma noite em claro.

Mas não importava o quanto a tivesse, seu corpo sempre estava disposto para mais.

Era como se um único olhar dela fosse capaz de reacender seu desejo.

Ele sabia que seria um risco.

Aquela era sua primeira vez e talvez isso tornasse as coisas mais difíceis no futuro, mas ele sabia que apenas uma noite não seria o suficiente para ele.

André era conhecido por ser um solteiro convicto.

Nenhuma mulher estivera em sua cama mais que uma noite.

Ele não era de compromissos, pensou enquanto acariciava novamente a mulher em sua cama, preparando-a para mais uma rodada.

Ela acordaria dolorida no dia seguinte, mas ele sabia que estaria completamente satisfeita.

Ele faria questão de se certificar disso, pensou, com um sorriso.

Não havia espaço em sua vida para compromissos e família, pois seu trabalho vinha sempre em primeiro lugar.

Batalhara muito para chegar onde estava para bagunçar as coisas agora, quando estava no auge.

Mas aquela mulher...

Ele não queria se afastar ainda.

Talvez em dois ou três dias pudesse saciar seu desejo e então se estaria livre novamente.

E então em dois ou três dias, uma garota qualquer tomaria o seu lugar, como sempre acontecia.

Com isso em mente, ele a possuiu até que a exaustão tomasse conta e ambos.

Quando acordassem ele pegaria o número de seu telefone.

Enquanto não saciasse sua fome por ela, ele não permitiria que ela sumisse de suas vistas, foi seu último pensamento antes de embalar o corpo quente e suave contra o seu, quebrando mais uma de suas regras.

Era sempre ele a partir no meio da noite, deixando o lado oposto da cama vazio e frio.

Mas não era exatamente isso o que tinha acontecido quando acordou na manhã seguinte.

Ainda estava escuro quando Darla se colocou de pé ,vestindo-se apressada.

Procurou sua calcinha, ansiosa, mas não a encontrou em lugar nenhum.

Colocou o vestido rapidamente sobre o corpo, ajeitou os cabelos no banheiro, e quando percebeu que estava tudo certo foi rapidamente para a sala na ponta dos pés para não fazer barulho.

Não sabia ao certo como deveria se despedir depois daquela noite, por isso apenas pegou sua bolsa sobre a mesinha de centro enquanto levava os sapatos na outra mão antes de sair do quarto e fechar a porta de maneira ilenciosa.

Nada do que acontecera aquela noite fazia parte de seus planos.

Ela saíra de casa com intenção de acompanhar Ella naquele evento importante, e estar ali para ela caso precisasse.

Não para terminar na cama de um homem qualquer que ela jamais veria novamente.

Mas fora incrível, mais até do que ela havia imaginado.

E agora ela preciasava agir como a Cinderela e ir embora.

Mas no seu caso, já passara muito da meia-noite e estava bem perto do amanhecer...

Queria poder ficar e aproveitar mais um pouco do calor dos seus braços naquela cama. Mas era melhor não.

Fora um momento de loucura do qual talvez se arrependeria mais tarde.

Ela não buscava um relacionamento.

Então uma noite teria que ser o suficiente...

O recepcionista do hotel olhou surpreso ao ver a jovem saindo as pressas do elevador do hotel àquela hora.

Ele conhecia André Lord.

Era sempre ele que ia embora no meio da noite quando levava uma mulher bonita lá para cima.

Sorriu, divertido, enquanto a observava desaparecer pelas portas duplas antes de ser engolida pela escuridão lá fora.

As coisas mudam...pensou ele rindo consigo mesmo enquanto voltava sua atenção para o jogo em seu celular.

_Saia! _ André gritou esfregando as têmporas doloridas.

Dormira mais do que estava acostumado aquela manhã.

Não lembrava da última vez que ficara na cama ate depois das seis.

Tinha costume de levantar cedo todos os dias, se exercitar por uma hora e depois tomar um banho antes deseguir para a empresa.

Todas as manhãs uma de suas secretárias levava uma xícara de café preto e fumegante, o suficiente para fazê-lo se concentrar no trabalho a sua frente...

Mas naquela manhã tudo estava dando errado.

Tivera o melhor sexo que de toda a sua vida, mas acordara com uma baita dor de cabeça, culpa do vinho e das poucas horas de sono.

Pulou seus exercícios matinais de todas as manhãs para não se atrasar para o escritório e o café não lhe parecia forte e quente o suficiente para relaxá-lo.

E para piorar seu dia , acabara receber uma ligação de sua mãe, avisando que estava vindo para visitá-lo.

Uma semana antes do previsto!

A secretaria saiu rapidamente após seu grito impaciente, de cabeça baixa.

André se sentiu culpado por descontar sua frustração na garota mas estava furioso demais.

Daria-lhe um bônus no salário esse mês e estaria tudo resolvido, pensou ele.

Pegou os relatórios que estavam a sua frente novamente, tentando se concentrar, mas em poucos segundos suaatenção se voltou para o real motivo de sua irritação.

A culpa não era do vinho, ou de ter perdido o horário.

Não era do café ou na inesperda visita de sua mãe.

Ele acordara sozinho na cama...

Ela simplesmente fora embora e ele acordara sozinho naquele quarto de hotel!

Ele tinha planos para quando acordassem, pensou sentindo seu sexo ficando rijo novamente diante da lembrança da garota que estivera em seus braços hora antes.

Planos que envolviam Darla em baixo dele ou montada sobre ele...

Embaixo, de preferência!

Ou de quatro...

Ele teria livre acesso aos seus cabelos longos e negros.

Poderia emaranhar seus dedos nos fios sedosos enquanto investia em estocadas profundas em seu ninho quente e úmido, até senti-la desfazer-se nele novamente.

Ergueu-se rapidamente e seguiu para o quarto que mantinha em seu escritório.

Precisava tomar uma ducha fria para não ser flagrado em seu escritório com uma ereção indesejada.

Isso nunca lhe acontecera antes.

Nunca uma mulher ficara em seu sistema daquela maneira a ponto de fazê-lo perder o cotrole de seu próprio corpo.

Mas sua mente traidora sempre voltava até algumas horas antes, quando a tinha em seus braços gemendo seu nome descontroladamente enquanto gozava ao redor de seu sexo ou em seus dedos enquanto sua língua a levava a loucura.

Tomou uma ducha rápida e quando sentiu que finalmente se acalmava saiu e secou-se rapidamente.

Talvez essa obsessão fosse por ter sido o seu peimeiro amante...pensou ele.

Nunca ficara com uma mulher inexperiente.

Inexperiencia e sensualidade normalmente não eram encontradas em uma mesma mulher. Mas Darla tinha provado que estava errado a esse respeito.

Acordara sozinho, insatisfeito e irritado.

Desta vez fora ele quem havia sido deixado para trás! lembrou enquanto voltava para o escritório com uma expressão sombria, e pediu uma nova xícara de café.

Tinha trabalho para terminar e não podia se dar ao luxo de ficar pensando em uma mulher que nunca veria novamente.

Lembrar-se disso apenas serviu para piorar ainda mais o seu mau-humor e durante toda a manhã ninguém ousou perturbá-lo, o que era um alívio.

Reclame seu bônus no App

Abrir
1 Capítulo 1 Uma noite e para sempre2 Capítulo 2 O encontro3 Capítulo 3 A entrega4 Capítulo 4 O que eu fiz !5 Capítulo 5 Darla6 Capítulo 6 Encontre ela!7 Capítulo 7 A entrevista8 Capítulo 8 Reencontro9 Capítulo 9 Sem opção 10 Capítulo 10 Você está me seguindo!11 Capítulo 11 Ele é louco!12 Capítulo 12 Conhecendo a sogra13 Capítulo 13 Os planos do CEO14 Capítulo 14 Na empresa Lord 15 Capítulo 15 Tentação 16 Capítulo 16 Incontrolável 17 Capítulo 17 Você é um idiota!18 Capítulo 18 Tensão pós sexo19 Capítulo 19 Contrariando o CEO20 Capítulo 20 Ela não está disponível!21 Capítulo 21 Essa mulher é fogo!22 Capítulo 22 Prova de desempenho23 Capítulo 23 Promessa é dívida!24 Capítulo 24 Atendendo seu pedido25 Capítulo 25 O silêncio de Darla26 Capítulo 26 Noticia inesperada27 Capítulo 27 Passeio com a sogra28 Capítulo 28 Dia do exame29 Capítulo 29 Mudança repentina30 Capítulo 30 Vamos nos casar!31 Capítulo 31 Sedução parte 132 Capítulo 32 Por água à baixo33 Capítulo 33 Mudando de Tática 34 Capítulo 34 Sedução parte 235 Capítulo 35 Ciúmes 36 Capítulo 36 O acordo37 Capítulo 37 Uma noite a dois38 Capítulo 38 De volta ao trabalho39 Capítulo 39 Quebrando as regras 40 Capítulo 40 Desejo reprimido 41 Capítulo 41 Viagem ao paraiso42 Capítulo 42 Ela é minha!43 Capítulo 43 Revelando seus planos44 Capítulo 44 Baixando a guarda 45 Capítulo 45 Jogo de sedução 46 Capítulo 46 A volta para casa.47 Capítulo 47 Visita inesperada48 Capítulo 48 Ela não é ninguém 49 Capítulo 49 Eu me casarei com você 50 Capítulo 50 Antes que ela mude de ideia51 Capítulo 51 Notícia bombástica 52 Capítulo 52 Eu ainda não te esqueci53 Capítulo 53 Sra. Lord está grávida!54 Capítulo 54 Diana55 Capítulo 55 _Fique longe dela!56 Capítulo 56 Foi tudo planejado57 Capítulo 57 Declaração de amor58 Capítulo 58 Visita surpresa59 Capítulo 59 Não era o que eu esperava60 Capítulo 60 Menina mimada61 Capítulo 61 Jantar a quatro62 Capítulo 62 Quero pedir um favor...63 Capítulo 63 A volta de Ella64 Capítulo 64 Vestido de casamento65 Capítulo 65 Encontro de casais66 Capítulo 66 O grande dia67 Capítulo 67 Não tem mais volta 68 Capítulo 68 Onde ela está 69 Capítulo 69 Amor doentio.70 Capítulo 70 Jogue o lixo fora!71 Capítulo 71 Clima tenso72 Capítulo 72 Onde está meu marido 73 Capítulo 73 Posso ir com você 74 Capítulo 74 Em desespero75 Capítulo 75 Duas semanas76 Capítulo 76 Seu lugar é ao meu lado77 Capítulo 77 Eu te amo78 Capítulo 78 Lua de Mel 79 Capítulo 79 Troca de noivos 80 Capítulo 80 Poço de felicidade 81 Capítulo 81 Louco por Ella