icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
Capítulo 7
Deixando-o com raiva sem querer
Palavras: 1160    |    Lançado em: 12/08/2022

Anabela não contou às amigas porque sabia que, por mais que explicasse, elas não entenderiam sua situação.

A garota passou muito tempo na biblioteca, depois daquelas conversas. Ficou até o anoitecer, quando sentiu que seus olhos estavam cansados. Esfregando os olhos, levantou a cabeça e olhou ao seu redor. Poucas pessoas permaneciam na biblioteca. Anabela suspirou, guardou os livros e mexeu os ombros, que doíam um pouco. Seus olhos se voltaram para o relógio na parede, quando se deu conta de que estava atrasada para regressar à vila.

A garota franziu o cenho, pois estava errada, isto não deveria ter acontecido. Ela imediatamente se levantou, saiu correndo da escola e viu o veículo familiar que já a esperava na porta. "Srenhor Leonel, me desculpa! Eu não sabia que já era tão tarde."

Leonel olhou para ela com frieza e disse: "Senhora Arlene, por favor, suba no carro. O senhor José te espera na vila."

Durante a viagem, Anabela estava inquieta. Como poderia ter esquecido da hora? Seu marido lhe dissera para retornar à casa todos os dias até às 17h30. No entanto, logo no primeiro dia, ela havia quebrado as regras.

A sala de estar da vila era muito bem iluminada; o lustre de cristal italiano importado, pendurado no teto, brilhava intensamente. Mas o clima em seu interior era muito frio.

Assim que a garota entrou na sala, viu José, que estava sentado no sofá fumando. Ela se sentiu enjoada com o cheiro forte dos cigarros e tossiu várias vezes enquanto a fumaça entrava em suas fossa nasais. Os olhos da garota se fixaram no cinzeiro cheio de pontas de cigarro, enquanto mordia os lábios, sabendo que sofreria algum tipo de castigo. Anabela pigarreou ao se dirigir ao marido: "Senhor José, sinto muitíssimo. Esqueci das horas."

"Como você se atreve a desobedecer minhas ordens?", o homem vociferou imediatamente.

Ele havia deixado bem claro naquela manhã que Anabela deveria voltar na hora estipulada, mas ela havia chegado duas horas mais tarde. Como a moça poderia ser tão leviana em pensar que ele a perdoaria apenas mediante um pedido de desculpas?

"Estou falando sério. Estou contando a verdade. Eu realmente não percebi que horas eram", respondeu a garota. Porém, a explicação dela não fez diferença alguma, porque o marido não acreditou em nada que ela disse.

Ele suspeitava que a menina tinha chegado atrasada de propósito, e que estava mentindo para escapar de sua fúria.

Embora estivesse com José há apenas dois dias, Anabela sabia que ele era um homem frio e cruel, e que deveria enfrentá-lo por todos seus dias no futuro.

José jogou a ponta do cigarro no cinzeiro, depois se levantou e chegou perto dela para interrogá-la. "Com quem você se encontrou hoje? Me conte!"

Ambos se olharam, e as sobrancelhas de Anabela se franziram em sinal de dúvida.

"Você realmente não precisa saber disso. Mesmo que eu conte a verdade, você não vai acreditar em mim." Anabela era frágil, mas apreciava sua autoestima e era muito teimosa.

"Suba comigo ao segundo andar", José ordenou com indiferença. Então ele se voltou e subiu as escadas.

A jovem observou os olhos apreensivos de Maria, o que a deixou ainda mais nervosa. Ela mordeu os lábios e subiu as escadas atrás de José.

Quando chegaram ao quarto, o homem sentou-se no sofá e disse: "Você é teimosa e persistente, Carolina. No entanto, deve saber que se me desrespeitar, posso fazer com que a família Rabelo desapareça da face da Terra."

"Sim, eu sei. Sempre tenho isto em mente", disse ela. Anabela estava ciente do quanto José era poderoso. Se não fosse por causa disso, Crespo não a teria trocado pela segurança da família Rabelo.

"Você sabe mesmo? O que você fez não confirma que você sabe." José acreditava que a garota queria sair, porque queria ver alguns homens, e seu atraso ao voltar para casa só reforçou sua suspeita.

O olhar gelado de seu marido a fez recuar na mesma hora.

"Você ainda planeja ir para a escola amanhã?", perguntou José. Ele esperava que ela respondesse que não, mas, quanto a isto, a garota não iria desistir para agradar o marido.

"Sim, sim, eu irei." Anabela tinha medo de José, mas não queria que ele fosse à escola para investigar.

Podia haver alguma informação que Crespo não tivesse lhe passado, embora ele tivesse trocado seus documentos com o de Carolina. E se algum erro nos documentos revelasse sua identidade?

De repente, José estendeu a mão e rasgou sua roupa, fazendo-a estremecer de surpresa. Seu olhar frio captou a beleza da pele tenra e branca de Anabela. Em seguida, o homem ordenou em voz baixa: "Vá tomar banho! E não saia até eu que eu lhe diga."

A jovem obedeceu em silêncio e foi até o banheiro. Ela parou no meio daquele banheiro imenso e observou a decoração luxuosa. Depois, tirou a roupa e começou a lavar o corpo com sabonete. Depois de um tempo, seu corpo não podia ficar mais limpo do que já estava.

Ela aplicou tanta força enquanto se esfregava, que sua pele já estava vermelha. Seus vasos sanguíneos podiam ser vistos através de sua pele, quase transparente.

Anabela estava tão cansada, que quase sussurrou: "Telmo, por que você ainda não voltou? Já esperei por você por muito tempo. Disse que voltaria e me levaria com você, mas nunca mais voltou!"

Naquele momento, seu medo era que quando Telmo voltasse, ela não teria mais condições de ficar com ele. Mesmo que ainda estivesse esperando por ele, ela sabia que não era mais livre.

Quando José abriu a porta do banheiro, notou que sua esposa estava enrolada como um bebê e chorava desconsoladamente, e que todo o seu corpo estava inteiro vermelho. Ele se aproximou dela, colocou a mão em seu ombro e se deu conta de que a moça estava com muita febre.

Naquele momento, ele suspeitou dela de novo. Talvez a mulher tivesse tomado um banho frio de propósito, para ficar com febre alta. Certamente, ela estava lhe pregando uma peça.

"Maria!" José chamou, gritando. Quando Maria veio correndo, o homem pediu que ela levasse a garota para o outro quarto de hóspedes.

"Senhor, a senhora Carolina está com uma febre muito alta. Não seria melhor eu chamar um médico?" Maria disse, com preocupação.

O homem saiu de perto sem dizer uma palavra, titubeando por alguns instantes.

"Telmo, Telmo..." Anabela não parava de murmurar o nome dele porque, em seu estado inconsciente, ela podia ver Telmo. Ela sonhou que ele tinha vindo para levá-la consigo, prometeu que a levaria para um lugar onde só estariam só os dois, e lá, poderiam viver juntos para sempre.

'Será que ela estava dizendo o nome de outro homem? Quem seria?', pensou.

José franziu o cenho e suas sobrancelhas se arquearam. Com um leve gesto de desprezo com as mãos para Maria, o homem saiu do quarto sem dizer uma palavra. Em menos de dez minutos, seu carro havia deixado a vila.

Reclame seu bônus no App

Abrir
1 Capítulo 1 Ela era apenas uma substituta2 Capítulo 2 Ele odiava sua hipocrisia3 Capítulo 3 Ela não tinha escolha4 Capítulo 4 Comprometida5 Capítulo 5 Prometendo a ele6 Capítulo 6 Dando uma chance7 Capítulo 7 Deixando-o com raiva sem querer8 Capítulo 8 Seu belo rosto é a sua força9 Capítulo 9 Só ela podia ficar com raiva10 Capítulo 10 Ele tinha outra mulher11 Capítulo 11 Provocação descarada12 Capítulo 12 Telmo ainda era o mesmo13 Capítulo 13 Mantendo a dignidade14 Capítulo 14 Tentando compensá-lo a seu modo15 Capítulo 15 Ele é comprometido16 Capítulo 16 Sua liberdade17 Capítulo 17 Ela se curvou mais uma vez18 Capítulo 18 Ele queria conhecê-la melhor19 Capítulo 19 Ele fez o seu melhor esforço para vê-la20 Capítulo 20 Fingindo que nada aconteceu21 Capítulo 21 Pagando o preço22 Capítulo 22 Elas eram pessoas completamente diferentes23 Capítulo 23 Ela é minha esposa24 Capítulo 24 Sua vida pertencia a ele25 Capítulo 25 Não chore mais26 Capítulo 26 Ele era o seu pesadelo27 Capítulo 27 O que mais ela poderia esperar 28 Capítulo 28 Ela não tinha para onde ir29 Capítulo 29 Por favor, preciso de ajuda30 Capítulo 30 Ela estava disposta a fazer isso31 Capítulo 31 Pare de torturá-la32 Capítulo 32 O dever de esposa33 Capítulo 33 Só tenho desprezo34 Capítulo 34 Eu não posso recusar35 Capítulo 35 Perdeu o direito de amá-lo36 Capítulo 36 Tomar essa decisão por Anabela37 Capítulo 37 Não há escapatória38 Capítulo 38 Não quer ter um filho39 Capítulo 39 Passar maus bocados40 Capítulo 40 Legítima noiva41 Capítulo 41 Sentir pena por ela42 Capítulo 42 Ele age conforme seu humor43 Capítulo 43 Se ela não estiver feliz, ele também não44 Capítulo 44 Apaixonar-se por mim será sua ruína45 Capítulo 45 O convite de casamento46 Capítulo 46 Comparecer ao casamento de Telmo47 Capítulo 47 Escondendo-se48 Capítulo 48 No clube49 Capítulo 49 Incapaz de pagar a dívida50 Capítulo 50 Você está com febre 51 Capítulo 51 Não fará uma exceção52 Capítulo 52 Ele não odiava aquela mudança53 Capítulo 53 Como sua verdadeira esposa54 Capítulo 54 Ele nunca permitiria que seus desejos se tornassem realidade55 Capítulo 55 Se esqueça dele56 Capítulo 56 Grávida57 Capítulo 57 Você mentiu58 Capítulo 58 Você está grávida 59 Capítulo 59 Deixe-me ficar com o bebê60 Capítulo 60 Último recurso61 Capítulo 61 Volte para ele62 Capítulo 62 Concordo com o aborto63 Capítulo 63 Ela quer morrer64 Capítulo 64 Ainda estou viva 65 Capítulo 65 Tudo deveria ter acabado66 Capítulo 66 Eu não mereço ser mãe67 Capítulo 67 Morta em vida68 Capítulo 68 Não queria estar ao seu lado69 Capítulo 69 Ficar bêbada para parar de sentir dor70 Capítulo 70 Situações difíceis71 Capítulo 71 Não me interessa nem um pouco72 Capítulo 72 Seu coração frio e adormecido73 Capítulo 73 Desta vez, ela se comportou74 Capítulo 74 A atitude presunçosa de Ana75 Capítulo 75 Tramando alguma coisa76 Capítulo 76 Um copo de leite com pílulas para dormir77 Capítulo 77 Encontrar-se com Luciano por acaso de novo78 Capítulo 78 Esqueceu de sua promessa79 Capítulo 79 Por que você é tão teimosa 80 Capítulo 80 Armação ou mera coincidência 81 Capítulo 81 Confissão de amor82 Capítulo 82 Você é o próprio diabo!83 Capítulo 83 Ferido por Anabela84 Capítulo 84 Não será fácil morrer85 Capítulo 85 Anabela desapareceu86 Capítulo 86 Anabela, como um peão87 Capítulo 87 Outro problema88 Capítulo 88 Será difícil para você sobreviver89 Capítulo 89 Ela não queria ser sua fraqueza90 Capítulo 90 Deus estava brincando com ela 91 Capítulo 91 Ela pagou com a própria vida92 Capítulo 92 É tudo culpa sua!93 Capítulo 93 Você pode seguir sua vida94 Capítulo 94 Longa separação95 Capítulo 95 Ele era inesquecível para ela96 Capítulo 96 Amor incondicional97 Capítulo 97 Não quero vê-lo agora98 Capítulo 98 Sou paciente e posso esperar99 Capítulo 99 É impossível que seja Anabela100 Capítulo 100 Encontro inesperado