icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
Capítulo 17
Ela se curvou mais uma vez
Palavras: 1530    |    Lançado em: 12/08/2022

Antes que Anabela pudesse desligar a chamada, José se levantou rápido, agarrou seu telefone e jogou-o no chão. Naquele instante, o telefone se partiu ao meio.

"Meu telefone!" A garota gritou. Ela ficou olhando para o telefone quebrado no chão, horrorizada. Anabela havia comprado aquele celular com o dinheiro que economizara durante vários meses. E embora já o tivesse usado por muitos anos, ela não queria ter que comprar outro por enquanto.

"O quê? Você está angustiada por causa daquele telefone quebrado? Você pertence à família Rabelo, então aquele celular barato não deve valer muito para você. E se quiser falar com aquele tal de Telmo, posso emprestar meu celular", disse José. Estava furioso por saber que Carolina não havia levado a sério sua ordem de não falar mais com aquele homem.

José pegou o telefone quebrado de sua esposa e franziu o cenho ao dizer: "Esse modelo antigo de celular me faz pensar se você realmente pertence à família Rabelo."

Anabela estremeceu diante dessas palavras, pois significava que ele estava suspeitando dela. 'O que aconteceria se José descobrisse a verdade?', pensou. Se seu marido, de algum modo, descobrisse que ela não era Carolina, toda a família Rabelo sofreria as consequências.

Anabela afirmou, rezando para que a sua resposta soasse firme: "É claro que pertenço à família Rabelo. Façamos um acordo. De agora em diante, vou obedecer a todas as suas instruções e, por sua vez, você não vai prejudicar meu pai nem Telmo, o que acha?"

José se voltou e olhou para ela. "Você não é alguém que possa me propor um acordo. Eu nem sequer confio em você. Fique de boca fechada e não saia de casa", ordenou o homem.

A garota não tinha outra opção a não ser aceitar e obedecer a todas as ordens dele.

Enquanto isso, Telmo se sentiu inquieto, ao perceber que a ligação fora cortada abruptamente. Aí discou o número de Anabela novamente, mas a ligação não se completou. Ansioso, ele pediu a seus colegas o endereço da garota, mas ninguém sabia onde ela morava.

Telmo ficou no portão da escola a maior parte do dia esperando Anabela, porém ela também não apareceu.

Era quase noite quando as aulas terminaram. Veronica e Linda saíram juntas e viram Telmo na frente do portão da escola. "Aquele não é o amigo de Anabela? O que será que ele está fazendo aqui?" Linda perguntou à Verónica.

"Ele deve estar procurando por Anabela, mas ela não veio hoje. Talvez esteja doente", comentou Verónica, preocupada.

"Como Anabela iria ficar doente? Ela não arrumou um homem milionário? E ele não cuida dela como uma princesa? Ela nem sequer precisa mais vir à faculdade!" Linda falou em voz alta intencionalmente, para que Telmo a escutasse.

E funcionou, porque Telmo ouviu o nome de Anabela e foi falar com elas. Seu rosto se endureceu quando se aproximou das duas garotas. "O que foi que você acabou de falar?" Ele perguntou, subitamente, ao agarrar Linda pelo braço.

"Ai! Está doendo. Me solte!" Linda gritou, pois não esperava que Telmo puxasse seu braço com tanta força. Ele parecia um lindo cavalheiro, mas não sabia se comportar.

Telmo franziu o cenho ao soltar o braço da garota e disse: "Você é companheira de classe de Anabela. Então, deve saber o que acontece com ela, certo?"

Linda revirou os olhos e respondeu: "Anabela era nossa colega de quarto, mas ela se mudou há poucos dias e renunciou ao emprego de meio período. Faz alguns dias que ela chega à escola em um carro luxuoso. Embora não tenhamos certeza, todo mundo acredita que ela está namorando algum homem milionário." Ao ouvir isso, o rosto de Telmo ficou sombrio.

"Isso é tudo que eu sei", acrescentou Linda, dando de ombros e afastando-se dele. 'Este homem também parece pertencer à classe alta, mas seria outro admirador de Anabela?', pensou ela.

Verónica se aproximou de Telmo e disse: "Senhor, isso é apenas uma suposição de nossos colegas de classe, sem confirmação. Por favor, não leve a sério. E você quer me deixar seu número de telefone? Se Anabela vier para a escola, eu a avisarei."

Telmo concordou, pegou um cartão de visita e o entregou à garota. "Muito obrigado, virei amanhã de novo", respondeu ele.

Eles se despediram com as formalidades usuais, Telmo entrou em seu BMW e foi embora.

No escritório de Telmo, Julia apareceu sem avisar. Ela usava um vestido de chiffon rosa claro que lhe caía muito bem, a fim de impressionar Telmo. Ela se sentou no sofá e o guarda-costas ficou na retaguarda. O assistente de Telmo ofereceu um copo de suco natural para Julia: "Aqui está o seu suco, senhorita Julia."

"Cadê o Telmo? Aonde ele foi?" Ela indagou para o assistente de seu noivo. Julia era uma mulher extremamente dominadora, e nunca havia permitido que qualquer outra mulher se aproximasse de Telmo. Ela escolhera até seus assistentes pessoais, para todos serem homens.

"Senhorita Julia, o vice-presidente disse somente que deveria cuidar de algum assunto pessoal hoje", respondeu Fábio Romão, assistente pessoal de Telmo, simplesmente repetindo o que seu chefe dissera antes de sair. Ele estava ciente de que uma resposta assim tão vaga não satisfaria a senhorita Julia, mas não podia deixar de obedecer às instruções de Telmo.

"Alguma coisa pessoal? Do que se trata? Ele não me falou nada", disse Julia um tanto furiosa. Telmo vinha se comportando de uma maneira muito esquisita desde que voltou do exterior; quase sempre estava distraído, como se pensasse em alguma outra coisa o tempo todo.

Julia até havia perguntado se algo o estava incomodando, mas ele nunca lhe dera uma resposta satisfatória. Portanto, o fato de ele não estar no escritório a fez suspeitar ainda mais.

"Ele também não comentou nada comigo", respondeu Fábio. Parecia-lhe ser muito mais difícil lidar com as perguntas de Julia do que com alguns clientes insuportáveis e indisciplinados.

"Você não é o assistente pessoal dele? Deveria saber absolutamente tudo sobre a agenda dele e também acompanhá-lo quando ele sair a negócios." Tendo dito isso, Julia tomou um gole de suco e ordenou ao assistente: "Ligue para ele e peça que volte o mais rápido possível."

Mas isso não foi necessário porque, naquele momento, Telmo acabava de entrar na sala empurrando a porta. "Julia! O que faz aqui a esta hora?", perguntou ele.

Ao ver Telmo, a mulher não pôde deixar de esboçar um sorriso. Ela colocou o copo de suco na mesa e chegou perto dele. Aí se atirou sobre ele para perguntar: "Telmo, onde você estava? Eu quero ir jantar com você."

Telmo olhou com cautela para a mulher em seus braços e aceitou. "Está bem, vou jantar com você", confirmou.

"Será que eu interrompi seu trabalho? Você esteve muito ocupado hoje?", perguntou Julia, querendo testá-lo.

Telmo era sempre muito dedicado ao trabalho, e por isso muitas vezes ia trabalhar cedo e voltava tarde. No entanto, ultimamente isso vinha acontecendo com maior frequência, e ela não tinha ideia do que ele estava fazendo.

"Está bem, fique tranquila. O que você quer comer? Podemos ir a um restaurante de cinco estrelas", disse Telmo, passando o braço em volta da cintura da noiva, e logo os dois saíram do escritório.

"Telmo, você está com muito trabalho? Você não me dedicou tempo suficiente nos últimos dias, então vamos tentar desfrutar desta noite juntos, concorda?", disse a moça. Julia foi a pessoa que convenceu os diretores da empresa a nomearem Telmo como vice-presidente.

Portanto, Telmo não podia negar um pedido dessa mulher. Porém, como tinha um trabalho programado com antecedência, disse: "Julia, esta noite é impossível para mim, porque tenho trabalho pendente. Mas te prometo que amanhã à noite eu serei todo seu."

"Está bem, não tem problema. Então te acompanho esta noite enquanto você trabalha. Prometo que não vou incomodar", Julia informou, decidida a não deixar Telmo sozinho naquela noite. Desta maneira, ela não deu a ele a chance de rejeitar sua companhia.

No final, Telmo teve que aceitar, para não ofendê-la.

Enquanto isso, Ana foi encontrar-se com José no escritório dele. "Senhor José", ela o saudou.

"Ana, sente-se", José respondeu, sem levantar os olhos, e continuou a ler os documentos em suas mãos.

"Senhor José, Júlio comentou comigo que você estava investigando o Grupo Silva. Seria por causa de sua esposa?", perguntou ela. Ana achava que isso era completamente desnecessário, já que o Grupo Silva também era uma grande companhia e, se José estivesse disposto a comprá-lo, teria de dispor de uma grande quantia de dinheiro.

Os cantos da boca de José se moveram para cima. "Ana, por que você se interessa por este assunto?", ele perguntou.

Ana sorriu e respondeu: "Senhor José, só perguntei porque tenho zelo pelos seus interesses." Após uma pausa momentânea, a mulher voltou a perguntar: "Então, o que Júlio me contou tem alguma relação com ela?"

José levantou, aproximou-se dela e disse: "Vá para o clube e espere por mim. Eu irei esta noite."

Ana assentiu com a cabeça, antes de dar-lhe um beijo doce nos lábios. "Ok, farei com que preparem alguns pratos deliciosos especialmente para você", acrescentou ela.

José não ia ao clube com frequência nos últimos dias, talvez por causa daquela mulher, Carolina.

Reclame seu bônus no App

Abrir
1 Capítulo 1 Ela era apenas uma substituta2 Capítulo 2 Ele odiava sua hipocrisia3 Capítulo 3 Ela não tinha escolha4 Capítulo 4 Comprometida5 Capítulo 5 Prometendo a ele6 Capítulo 6 Dando uma chance7 Capítulo 7 Deixando-o com raiva sem querer8 Capítulo 8 Seu belo rosto é a sua força9 Capítulo 9 Só ela podia ficar com raiva10 Capítulo 10 Ele tinha outra mulher11 Capítulo 11 Provocação descarada12 Capítulo 12 Telmo ainda era o mesmo13 Capítulo 13 Mantendo a dignidade14 Capítulo 14 Tentando compensá-lo a seu modo15 Capítulo 15 Ele é comprometido16 Capítulo 16 Sua liberdade17 Capítulo 17 Ela se curvou mais uma vez18 Capítulo 18 Ele queria conhecê-la melhor19 Capítulo 19 Ele fez o seu melhor esforço para vê-la20 Capítulo 20 Fingindo que nada aconteceu21 Capítulo 21 Pagando o preço22 Capítulo 22 Elas eram pessoas completamente diferentes23 Capítulo 23 Ela é minha esposa24 Capítulo 24 Sua vida pertencia a ele25 Capítulo 25 Não chore mais26 Capítulo 26 Ele era o seu pesadelo27 Capítulo 27 O que mais ela poderia esperar 28 Capítulo 28 Ela não tinha para onde ir29 Capítulo 29 Por favor, preciso de ajuda30 Capítulo 30 Ela estava disposta a fazer isso31 Capítulo 31 Pare de torturá-la32 Capítulo 32 O dever de esposa33 Capítulo 33 Só tenho desprezo34 Capítulo 34 Eu não posso recusar35 Capítulo 35 Perdeu o direito de amá-lo36 Capítulo 36 Tomar essa decisão por Anabela37 Capítulo 37 Não há escapatória38 Capítulo 38 Não quer ter um filho39 Capítulo 39 Passar maus bocados40 Capítulo 40 Legítima noiva41 Capítulo 41 Sentir pena por ela42 Capítulo 42 Ele age conforme seu humor43 Capítulo 43 Se ela não estiver feliz, ele também não44 Capítulo 44 Apaixonar-se por mim será sua ruína45 Capítulo 45 O convite de casamento46 Capítulo 46 Comparecer ao casamento de Telmo47 Capítulo 47 Escondendo-se48 Capítulo 48 No clube49 Capítulo 49 Incapaz de pagar a dívida50 Capítulo 50 Você está com febre 51 Capítulo 51 Não fará uma exceção52 Capítulo 52 Ele não odiava aquela mudança53 Capítulo 53 Como sua verdadeira esposa54 Capítulo 54 Ele nunca permitiria que seus desejos se tornassem realidade55 Capítulo 55 Se esqueça dele56 Capítulo 56 Grávida57 Capítulo 57 Você mentiu58 Capítulo 58 Você está grávida 59 Capítulo 59 Deixe-me ficar com o bebê60 Capítulo 60 Último recurso61 Capítulo 61 Volte para ele62 Capítulo 62 Concordo com o aborto63 Capítulo 63 Ela quer morrer64 Capítulo 64 Ainda estou viva 65 Capítulo 65 Tudo deveria ter acabado66 Capítulo 66 Eu não mereço ser mãe67 Capítulo 67 Morta em vida68 Capítulo 68 Não queria estar ao seu lado69 Capítulo 69 Ficar bêbada para parar de sentir dor70 Capítulo 70 Situações difíceis71 Capítulo 71 Não me interessa nem um pouco72 Capítulo 72 Seu coração frio e adormecido73 Capítulo 73 Desta vez, ela se comportou74 Capítulo 74 A atitude presunçosa de Ana75 Capítulo 75 Tramando alguma coisa76 Capítulo 76 Um copo de leite com pílulas para dormir77 Capítulo 77 Encontrar-se com Luciano por acaso de novo78 Capítulo 78 Esqueceu de sua promessa79 Capítulo 79 Por que você é tão teimosa 80 Capítulo 80 Armação ou mera coincidência 81 Capítulo 81 Confissão de amor82 Capítulo 82 Você é o próprio diabo!83 Capítulo 83 Ferido por Anabela84 Capítulo 84 Não será fácil morrer85 Capítulo 85 Anabela desapareceu86 Capítulo 86 Anabela, como um peão87 Capítulo 87 Outro problema88 Capítulo 88 Será difícil para você sobreviver89 Capítulo 89 Ela não queria ser sua fraqueza90 Capítulo 90 Deus estava brincando com ela 91 Capítulo 91 Ela pagou com a própria vida92 Capítulo 92 É tudo culpa sua!93 Capítulo 93 Você pode seguir sua vida94 Capítulo 94 Longa separação95 Capítulo 95 Ele era inesquecível para ela96 Capítulo 96 Amor incondicional97 Capítulo 97 Não quero vê-lo agora98 Capítulo 98 Sou paciente e posso esperar99 Capítulo 99 É impossível que seja Anabela100 Capítulo 100 Encontro inesperado