icon 0
icon Loja
rightIcon
icon História
rightIcon
icon Sair
rightIcon
icon Baixar App
rightIcon
Capítulo 19
Ele fez o seu melhor esforço para vê-la
Palavras: 1272    |    Lançado em: 12/08/2022

Sentada em seu quarto, Anabela sentia tantas dores no corpo que se recostou na cama sem se mexer muito. Sobre seu criado-mudo havia um frasco de pílulas anticoncepcionais. Por quanto tempo mais ela teria que passar por tudo isso?

Sentado e fumando dentro de seu quarto, José se perguntava por que tinha sido tão impulsivo, depois de ter bebido. 'Que tipo de mulher seria Carolina?', se perguntou. Ele havia pensado em investigá-la nos últimos dias, se Telmo não aparecesse, mas havia abandonado a ideia após o aparecimento do menino.

Anabela pegou o celular que José lhe dera, e que não exibia nenhum outro número gravado, exceto o dele próprio. José realmente queria abortar qualquer contato que ela pudesse ter com quaisquer outras pessoas.

Como já havia transcorrido uma semana que Telmo tentava se comunicar com ela, ele devia estar muito preocupado. Por isso tudo, Anabela tinha que procurá-lo para lhe dar ciência dos fatos. Ela não queria ser culpada por ele perder um futuro profissional brilhante, junto à sua linda noiva.

Embora só tivesse visto aquela mulher à distância, sabia que ela era bonita, elegante e madura, predicados que a tornavam uma esposa adequada para Telmo. Bem diferente de Anabela, que sempre fora um fardo para Telmo desde a infância.

Ele faltara às aulas por ela, lutara por ela e até trabalhara para que a moça pudesse comprar comida de qualidade, e por tudo isso, a família Ribas a detestava. Anabela sempre esteve ciente disso.

Ela era a filha adotiva da família Rabelo, mas não compreendia porque Crespo a havia adotado, se não se importava com ela. Se ele não queria uma filha assim, qual seria o seu propósito? Anabela nunca entendeu.

Jamais o chamou de "pai". Quando completou dezoito anos, ela pensou que poderia se livrar daquela casa, que não podia chamar de "lar", mas ao invés disso, Crespo a havia levado para onde se encontrava agora.

A garota simplesmente não pôde se negar, não pôde resistir diante das palavras envolventes de Crespo. E para compensar a suposta bondade dele em criá-la, ela teve que vender sua vida para José, um demônio.

Seu marido não voltava para casa há três dias, então Anabela saiu do quarto e ficou no jardim. Exceto pelos criados, ele não tinha deixado nenhum guarda-costas para restringir sua liberdade.

Apesar disso, ela não saiu secretamente. José disse a Maria que iria cuidar de negócios particulares e que voltaria logo. Desta vez, Anabela não pediu aLeonel, o motorista, para levá-la; ao invés disso, ela se dirigiu à estação de ônibus mais próxima e pegou um que passaria pelo centro. Ao chegar à escola, a menina se encontrou com Verónica e Linda. "Anabela, finalmente você apareceu. Por acaso aquele homem mantém você trancada e você nem pode vir à escola? Se não vier, terá problemas, pois o Reitor já veio procurá-la muitas vezes, mas não conseguimos nos comunicar com você", disse Linda, bombardeando Anabela com muitas perguntas assim que a viu.

Verónica puxou Linda pela manga da blusa e disse: "Anabela, você pode falar com o Reitor e tudo ficará em ordem. A propósito, durante sua ausência, um homem chamado Telmo veio procurá-la aqui no portão muitas vezes."

"Telmo veio aqui na faculdade? Disse alguma coisa?" Ela perguntou, na mesma hora. 'Se ele me tinha ido procurar na escola, teria ido à casa da família Rabelo também? Será que ele já sabia o que havia acontecido?', Anabela se pergutnou.

"Esse homem deve ser também muito bom! Parece pertencer à elite empresarial e se veste com ternos de marca. Ele também é seu namorado?", Linda tagarelou novamente. Na verdade, não gostava muito de Anabela, devido a ela ser uma boa aluna. A moça sempre foi elogiada pelos professores. Mas não era tão boa no que dizia respeito à socialização e passava um bom tempo na biblioteca da escola todos os dias. Também trabalhava em seu pouco tempo livre. Uma mulher assim não tinha história familiar, mas na escola muitas pessoas se preocupavam com ela.

Linda não era ruim, porém, sentia-se desconfortável, porque Anabela sempre parecia ofuscar seu caminho para a glória.

Verónica voltou seu olhar para Linda e disse: "Aquele homem lhe deu seu cartão de visita, não deu?"

Anabela tomou o cartão dela na mesma hora. Felizmente! Antes que ela pudesse registrar em algum lugar o número de Telmo, José quebrara seu celular.

"Muito obrigada. Agora eu preciso ir. Vocês poderiam pedir aos professores alguns dias de férias para mim?", pediu Anabela, que não podia voltar para as aulas sem a permissão de José.

Verónica simplesmente assentiu. Ela pressentia que havia algo de errado com a colega, mas a garota nada lhe contou. Também não ousaria perguntar, pois sabia que Anabela não era uma pessoa que gostasse de muita conversa.

Dentro do café, Anabela já estava sentada em uma das mesas, segurando o cartão deTelmo com força nas mãos. Finalmente, ela discou o número dele, depois de pensar muito.

"Olá!" A voz de Telmo estava muito séria, não tão emocionada e ansiosa como ela havia imaginado.

"Telmo, sou eu", Anabela falou baixinho.

Ao ouvi-la, Telmo fez uma pausa, olhou para Julia, sentada no sofá, e perguntou: "O que aconteceu?"

"Você está ocupado agora?", indagou a garota. Ela não queria interromper o trabalho dele, mas se não esclarecesse as coisas naquele dia, talvez não tivesse outra chance.

"Não, pode continuar, me conte", ele respondeu, parecendo muito calmo por fora, embora seu coração estivesse batendo rápido.

"Eu gostaria de ver você hoje, posso? Se estiver ocupado, posso esperar." Anabela se deu conta de que Telmo poderia estar ocupado no momento e talvez fosse inconveniente para uma conversa.

Ela disse a Telmo onde estava e que ficaria esperando até ele chegar. Acreditava de verdade que ele iria.

Telmo desligou o telefone com uma expressão séria, desejando poder ir ver Anabela na mesma hora. Ele queria saber o que havia acontecido com a moça durante todos aqueles dias, estava muito preocupado com ela. Sempre teve um vínculo afetivo muito grande com aquela garota, e só quando ela estava ao seu lado, ele podia se sentir em paz.

Julia também notou que algum pensamento estranho se passava na cabeça de seu noivo, depois de receber aquela chamada.

"Algo errado, Telmo? Aconteceu alguma coisa?" Ela perguntou, enquanto se aproximava dele e o observava um tanto inquieta.

Telmo pegou a mão dela e disse: "Não aconteceu nada, Julia. Se está entediada de ficar sentada aqui, você pode ir às compras."

A noiva percebeu que o homem estava querendo ver-se livre dela. 'Então, será que ele iria se encontrar com outra mulher?', pensou. Julia não o deixaria só como ele desejava. Esse homem poderia pertencer somente a ela.

"Eu não quero ir às compras sozinha, se você for comigo, sim eu quero ir", disse Julia caindo nos braços do noivo.

Os braços de Telmo rodearam imediatamente a cintura esbelta da mulher. Não havia nada de errado com ela, não obstante, ele já tinha Anabela no coração.

"Mas, eu estou trabalhando", disse ele, com um sorriso. Telmo vinha inventando várias desculpas para se manter a certa distância dela.

Julia então levantou a cabeça e o beijou nos lábios, enquanto seus braços delgados envolviam o pescoço do noivo. Nenhum homem poderia resistir àqueles lábios, nem mesmo Telmo.

"Telmo, você pode dormir na villa esta noite? Por favor." Apesar de estarem oficialmente noivos, Telmo havia dito que era melhor que os dois vivessem separados até o casamento.

Telmo não proferiu uma única palavra. Ele apenas acariciou os cabelos dela e disse: "Vamos fazer compras!"

Naquele momento, ele havia perdido a vontade de trabalhar, pois só conseguia pensar em Anabela.

Reclame seu bônus no App

Abrir
1 Capítulo 1 Ela era apenas uma substituta2 Capítulo 2 Ele odiava sua hipocrisia3 Capítulo 3 Ela não tinha escolha4 Capítulo 4 Comprometida5 Capítulo 5 Prometendo a ele6 Capítulo 6 Dando uma chance7 Capítulo 7 Deixando-o com raiva sem querer8 Capítulo 8 Seu belo rosto é a sua força9 Capítulo 9 Só ela podia ficar com raiva10 Capítulo 10 Ele tinha outra mulher11 Capítulo 11 Provocação descarada12 Capítulo 12 Telmo ainda era o mesmo13 Capítulo 13 Mantendo a dignidade14 Capítulo 14 Tentando compensá-lo a seu modo15 Capítulo 15 Ele é comprometido16 Capítulo 16 Sua liberdade17 Capítulo 17 Ela se curvou mais uma vez18 Capítulo 18 Ele queria conhecê-la melhor19 Capítulo 19 Ele fez o seu melhor esforço para vê-la20 Capítulo 20 Fingindo que nada aconteceu21 Capítulo 21 Pagando o preço22 Capítulo 22 Elas eram pessoas completamente diferentes23 Capítulo 23 Ela é minha esposa24 Capítulo 24 Sua vida pertencia a ele25 Capítulo 25 Não chore mais26 Capítulo 26 Ele era o seu pesadelo27 Capítulo 27 O que mais ela poderia esperar 28 Capítulo 28 Ela não tinha para onde ir29 Capítulo 29 Por favor, preciso de ajuda30 Capítulo 30 Ela estava disposta a fazer isso31 Capítulo 31 Pare de torturá-la32 Capítulo 32 O dever de esposa33 Capítulo 33 Só tenho desprezo34 Capítulo 34 Eu não posso recusar35 Capítulo 35 Perdeu o direito de amá-lo36 Capítulo 36 Tomar essa decisão por Anabela37 Capítulo 37 Não há escapatória38 Capítulo 38 Não quer ter um filho39 Capítulo 39 Passar maus bocados40 Capítulo 40 Legítima noiva41 Capítulo 41 Sentir pena por ela42 Capítulo 42 Ele age conforme seu humor43 Capítulo 43 Se ela não estiver feliz, ele também não44 Capítulo 44 Apaixonar-se por mim será sua ruína45 Capítulo 45 O convite de casamento46 Capítulo 46 Comparecer ao casamento de Telmo47 Capítulo 47 Escondendo-se48 Capítulo 48 No clube49 Capítulo 49 Incapaz de pagar a dívida50 Capítulo 50 Você está com febre 51 Capítulo 51 Não fará uma exceção52 Capítulo 52 Ele não odiava aquela mudança53 Capítulo 53 Como sua verdadeira esposa54 Capítulo 54 Ele nunca permitiria que seus desejos se tornassem realidade55 Capítulo 55 Se esqueça dele56 Capítulo 56 Grávida57 Capítulo 57 Você mentiu58 Capítulo 58 Você está grávida 59 Capítulo 59 Deixe-me ficar com o bebê60 Capítulo 60 Último recurso61 Capítulo 61 Volte para ele62 Capítulo 62 Concordo com o aborto63 Capítulo 63 Ela quer morrer64 Capítulo 64 Ainda estou viva 65 Capítulo 65 Tudo deveria ter acabado66 Capítulo 66 Eu não mereço ser mãe67 Capítulo 67 Morta em vida68 Capítulo 68 Não queria estar ao seu lado69 Capítulo 69 Ficar bêbada para parar de sentir dor70 Capítulo 70 Situações difíceis71 Capítulo 71 Não me interessa nem um pouco72 Capítulo 72 Seu coração frio e adormecido73 Capítulo 73 Desta vez, ela se comportou74 Capítulo 74 A atitude presunçosa de Ana75 Capítulo 75 Tramando alguma coisa76 Capítulo 76 Um copo de leite com pílulas para dormir77 Capítulo 77 Encontrar-se com Luciano por acaso de novo78 Capítulo 78 Esqueceu de sua promessa79 Capítulo 79 Por que você é tão teimosa 80 Capítulo 80 Armação ou mera coincidência 81 Capítulo 81 Confissão de amor82 Capítulo 82 Você é o próprio diabo!83 Capítulo 83 Ferido por Anabela84 Capítulo 84 Não será fácil morrer85 Capítulo 85 Anabela desapareceu86 Capítulo 86 Anabela, como um peão87 Capítulo 87 Outro problema88 Capítulo 88 Será difícil para você sobreviver89 Capítulo 89 Ela não queria ser sua fraqueza90 Capítulo 90 Deus estava brincando com ela 91 Capítulo 91 Ela pagou com a própria vida92 Capítulo 92 É tudo culpa sua!93 Capítulo 93 Você pode seguir sua vida94 Capítulo 94 Longa separação95 Capítulo 95 Ele era inesquecível para ela96 Capítulo 96 Amor incondicional97 Capítulo 97 Não quero vê-lo agora98 Capítulo 98 Sou paciente e posso esperar99 Capítulo 99 É impossível que seja Anabela100 Capítulo 100 Encontro inesperado